sábado, 20 de março de 2010

ansiedade que me mata...


Só agora sei
que existe a eternidade:
é a duração
finita
da minha precariedade
.
O tempo fora
de mim
é relativo
mas não o tempo vivo:
esse é eterno
porque afetivo
— dura eternamente
enquanto vivo
.
E como não vivo
além do que vivo
não é
tempo relativo:
dura em si mesmo
eterno (e transitivo)
.
Ferreira Gullar

3 comentários:

  1. Tempo,tempo,tempo,tempooo...
    Aline, esse livro "pergunte ao pó" é bacana????EStou na busca por um livro legal!
    Bjs,bom find!

    ResponderExcluir
  2. adoreiii o texto!!!
    Ahh quero essa colcha, só que roxa!!!rsrs
    Beijos;*

    ResponderExcluir
  3. ADORO Ferreira Gullar!!
    E ele adora gatos...

    Beijinhos mil!

    ResponderExcluir