sexta-feira, 7 de maio de 2010

Esse não é um blog de moda!

Vou confessar a vocês que eu me sinto constrangida em dizer que esse é um blog de moda. Poderia, no máximo, descrevê-lo como blog de moda alternativa, mas prefiro encaixá-lo no gênero “estilo de vida”, se é que existe isso.

Eu sempre circulei meio à margem das tendências e nunca dispensei muita atenção ou respeito às “regras” de moda.
Quando pequena, nos anos 80, eu já dava mostras das minhas manias vestuárias não convencionais. ADORAVA os excessos, como brilhos, usava meia-calça com todo o tipo de roupa, amava brincos grandes e coloridos, brincos adesivos, usava vários de uma só vez! E botas? Aff, tive todas as botas da Xuxa! Usava suspensórios e surrupiava os acessórios da minha mãe e da minha tia. A perfeita Little Freak! [Estou morrendo de rir, lembrando da Pequena Miss Sunshine! Era algo naquele nível!]

Na adolescência, fui tomando contato com o rock e me APAIXONEI pela moda dos anos 60. O grunge estava estourando e eu me dividia entre esses dois universos. Pra completar, assisti a um documentário sobre cinema com 14 anos e fiquei enlouquecida com os figurinos dos filmes da década de 50 e 60. Tinha início o meu flerte com o retrô. E, como adolescente duranga que era, comprava minhas saias, bolsas, colares e sandálias nas feirinhas hippies e com azamigas, a preços módicos! Enchia os dedos de anéis e cantava “California Dreaming” feliz! Usava a camisa flanelada do namorado e desenhava no tênis.
Esse estilo me acompanhou durante um tempo considerável, até que a Globo acabou com a minha alegria quando lançou aquela novela da Sandy, “institucionalizando” a moda hippie! Não sei o que era pior: ver todo mundo igual a mim ou ter de ouvir que eu estava usando o estilo da Sandy! Vi parte da minha identidade deturpada e banalizada (drama queen feelings!) e parti pra outra.
Comecei a assumir meu lado roqueira underground, usando mais preto, tênis All Star, calças largas, acessórios prateados. Nessa época, eu já devia ter uns vinte anos, acho, e a moda nerd (ou geek) estava começando a surgir entre o povo do rock, com camisas coloridas, silks de heróis em quadrinhos (usei muuuuuuuuuuito), calça xadrez, o retorno do conga e os óculos. A galera começou a substituir os óculos de armação fina ou invisível pelo de armação quadradinha, preta ou colorida. Uma das minhas amigas (vegetariana, baixista, linda de morrer!) usava uns óculos gigantescos, estilo Chiquinha, já naquela época, beeeeeeeeem antes do revival do wayfarer!

Lembro que foi nesse período que a cena alternativa começou a resgatar a música dos anos 80, com ênfase considerável em Smiths e na Blondie (não aquela papagaiada de Festa Ploc 80, que eu também curti, confesso). Nessa época, a Betty Boop estampava camisas e acessórios, e as roqueiras começavam a ficar mais femininas, com um apelo pin up. Acho que começa aí o diálogo da cena underground com a moda dos anos 50. Eu não tive contato com esse estilo por revistas de moda ou pela mídia tradicional. Mas sim com a galera do rock, com filmes e revistas, anos atrás. Começava o resgate da cultura rockabilly, de Elvis e Chuck Berry e o surgimento dos straight edges.
Revisitando a cultura dos anos 50, a galera começou a resgatar as camisas xadrezes, as calças justas, as jaquetas de couro, em estilo perfecto, os topetes, as saias godês e evasês, os peep toes, o lindy hop.

É claro que, concomitante a isso, surgia um monte de coisa nova, o new metal, por exemplo, que eu detestava!

Eu ainda uso muito do que descrevi acima, só que com uma releitura, digamos, mais madura, mais condizente com minha idade e rotina. É do meu temperamento explorar o bom humor, a graça, a leveza, a piada. As agruras da vida jamais ofuscaram o meu desejo de sorrir. Eu nunca fui muito séria, pra falar a verdade, sou boba alegre mesmo! Com uma pitada de profundidade, mas fugindo do pedantismo e da lamúria, pelamordedeus! E o meu vestuário reflete isso. Quanto mais colorida a minha roupa, mais alegre estou me sentindo! Misturo estampas numa boa, num dia muito bom e inspirado! Menos nunca foi mais pra mim! Adoro acessórios, cores, penduricalhos em tudo! Um silk divertido numa blusa já pode fazer um colega (ou leitor) sorrir! Vestir-me é brincar, e nessa brincadeira posso ser mocinha, moleca, rockeira, pin up, mulherão. Tudo vai depender do meu estado de espírito!

De maneira geral, prefiro a alegria à elegância, mas também evito rótulos. Adoro poder ser quem bem entender, sem me preocupar em atender às expectativas de outrem! Minha moda é livre, é pra mim e não quer ser coerente! Assim como esse blog, que também é para quem aprecia a mudança, a alegria, a sensibilidade e o riso.

Sejam bem vindos!

* Esse texto se baseia única e exclusivamente na memória da autora. Não houve pesquisa acurada sobre os estilos e momentos citados.

14 comentários:

  1. ah, rolou uma identificação.
    é o meun caso tambem.
    no meu blog eu nao falo só de moda, maquiagem, música.
    o blog é sobre mim e sobre oq eu gosto.
    e eu gosto de mostrar oq eu visto e ouço, e gosto de falar do que eu faço.
    ficar presa num unico tema nao é a minha praia.

    ResponderExcluir
  2. adorei, e super me identifiquei com o texto. não exatamente com os mesmos estilos nas mesmas épocas, mas bem por aí mesmo: minha moda quem sempre fez fui eu, e fico meio de cara quando a moda me alcança (e aí quem não me conhece acha que eu estou imitando a moda, e não vice-versa, hehehe).

    um dia até comentei com um amigo que sempre que eu leio a respeito das "tendencinhas" (especialmente em blogs nacionais, já q alguns ainda me parecem um pouco mais presos a essa necessidade de acompanhar a matilha), eu tenho sempre uma das seguintes reações: ou eu leio e digo "não é pra mim" (mas com conhecimento de causa), ou eu leio e digo "mas isso eu já uso há tanto tempo!". dificilmente eu leio e me inspiro, pq minha inspiração vem de vários lugares ao mesmo tempo (filmes, seriados, fotos antigas, música, amigos, várias coisas).

    super beijo de uma colega de blogs cuja moda é muito fora de moda ;)

    ResponderExcluir
  3. Eu adooooro o seu estilo, seu "jeitinho de ser" e as roupas que vc usa tem sempre um "Q" de ousadia.
    Acho que a moda é isso, é ser você, é criar a sua própria moda.
    Nãosigo tendências e tbm não tenho um estilo definido, acho que moda tem a ver com "estado de espírito", a gente veste o que sente.
    Vim aqui também pra dizer que estou com saudaaaades, vc tá sumidinha !!!
    Beijooooocas e bom fim de semana !!!

    ResponderExcluir
  4. Adorei esse post..me vi um pouquinho nele...rs


    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Caramba! Fiquei impressionada com a memória da autora, hehhehe. Muito bom! relembrei vários momentos de minha vida! Beijos

    ResponderExcluir
  6. Aline, por mais que seja sua história (muito bacana , por sinal) esse texto foi uma aula. Adorei!

    ResponderExcluir
  7. Acho que todo mundo "se viu" nesse post. A gente sempre passa por várias fases, mas a essência não se altera. O que acho importante mesmo, é viver uma fase de cada vez e pegar cada parte boa delas e construir algo bem pessoal.
    Adorei o texto!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. olaa..fazia temp oque eu na ocomentava aqui aline, mas sempre venho te visitar..ehehehe olha o seu post de hoje daria uma bela introduçao ao um livro falando dessas epocas da moda e desses estilos...parece que eu vi na minha cabeça ateh acapa do livro acredita.....eheheh beijinhu amada e um otimo final de semana.

    ResponderExcluir
  9. Belo texto!

    Eu gosto de acompanhar a moda, usar algumas "tendências" e, enfim, agregar informação de atualidade ao que eu visto. Vc também faz essa mistura bem bacana de usar seu estilo retrô com toques de modernidade! Acho que é isso: estilo que é seu mas que indica o que vc vê e ouve. E seu estilo é inconfundível!

    Eu tb sempre me achei um patinho fara d'água. Ás vezes, eu parava de usar uma coisa qdo via q tava todo mundo usando mas agora não reajo mais assim. Eu uso o que eu quero e pronto! Se estiver "na moda", ótimo. Se não, vamos ver se cabe no contexto e pronto, serei feliz! ehehe

    Beijinhos mil!

    ResponderExcluir
  10. Amei e concordo,super..nada d rótulos..o négocio é viver..vestir o que bem entendemos!

    ResponderExcluir
  11. Aline, se as pessoas fossem leves como você, o mundo seria melhor.
    Adorei saber do seu estilo com o passar dos anos. Muito legal.
    Leveza, leveza.
    bjks, linduca, sou sua fã.
    Mel

    ResponderExcluir
  12. Aline, goste MUITO do seu texto, mesmo não me identificando na parte da criança!! Mas também fui rockeira, de usar batom roxo, roupas pretas, correntinhas com pingentes de cadeado, blusa de caveira.Bom,hj eu uso algumas dessas coisas, mas não tudo.=D

    ResponderExcluir
  13. Amei o texto...Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  14. Aêêêê, amiga, mandou beeeem!
    Também não tenho um blog de moda e nem faço questão. E vou pegar para mim sua definição 'estilo de vida', sabe? Gostei, é isso aí!
    Adorei o texto, sigo mais ou menos essa linha.
    Tb exagerei um pouco nos 80's, andei meio clubber nos 90's, mas descobri minha verve roqueira logo em seguida. Hj, apesar de tr um estilo aparentemente 'mocinha', sou totally rocker (vc sabe)!!!!!

    Parabéns! Amo quando vc mete bronca!
    Senti sua falta da festa.


    Almocinho esta semana?

    ResponderExcluir