segunda-feira, 19 de julho de 2010

Banda da semana - The Beatles - 1969 - 1970





Hoje finalizamos a semana beatlemaníaca com a última fase da banda. A gravação do White Album é o começo da morte lenta da banda. Paul e John estão mais competitivos que nunca, disputando mais espaço e, principalmente, mais músicas no lado A dos discos. Ringo se sente preterido e abandona a banda, à qual só retorna após a insistência dos colegas (John lhe envia um telegrama carinhoso e George enfeita sua bateria com flores). Têm início as gravações individuais, pois as singularidades e diferenças dos integrantes eram tão fortes que eles começam a se isolar em estúdios diferentes. Sem conseguir abrir mão de suas músicas, decidem por um álbum duplo, mas não menor rico. Yoko já é presença diária no estúdio, que antes era o santuário intransponível dos Fab Four.

A gravação de Let it be é um tormento para todos. Com a morte de seu empresário, alguns anos antes, as divergências nos negócios vão ficando insustentáveis. George se envolve cada vez mais com a música indiana, grava um disco fora dos Beatles e acaba abandonando a banda também. O documentário que registra a gravação das músicas revela frieza, desentendimentos e tédio. Paul, cada vez mais perfeccionista, leva os companheiros à exaustão e ao limite da paciência. O álbum termina caótico e semiproduzido por dois profissionais de visão distinta. Paul odeia o resultado mas não é atendido quando pede que se revise o disco.

Em Abbey Road, estava subentendido que se tratava do último trabalho juntos e, talvez por isso, os ânimos estivessem melhores, os rapazes mais colaborativos. George se afirma como um grande compositor, com Something, uma das músicas mais admiradas e regravadas. As diferenças entre Paul e Jonh ainda são notáveis, mas eles se esforçam por darem o melhor de si. Os medleys de Paul, a propósito, são a grande inovação do álbum. Com a ótima produção de George Martin e o apoio de seus engenheiros de som, Abbey Road se torna o disco mais bem acabado e produzido dos Beatles.

Pode-se chamar essa fase final de "o divórcio" dos Beatles, no qual as "diferenças inconciliáveis" tornavam o relacionamento difícil entre eles. Mas essas diferenças conferiam também, no entanto, grande variedade criativa e riqueza, alçando a banda ao mais alto patamar artístico e consolidando-os como referência e influência para muitos que viriam a seguir. 

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. meu, beatles é tudo *-* minha banda preferida e ponto. cada música, das 200 e pouco deles são diferentes e lindas. amei amei e amei *-*

    ResponderExcluir
  3. Fui no show do cover deles, foi perfeitoooooooooooooooo! Amo, amo e amo!

    ResponderExcluir