domingo, 26 de dezembro de 2010

Sobre ser feliz


imagem: reprodução

Há alguns anos, eu tomei um certo pavor do Natal. Reuniões familiares, por aqui, costumava significar brigas, barracos e toda sorte de sordidez que acompanha o excesso de intimidade. Por isso, nos últimos anos, eu sempre inventava uma desculpa para fugir, como da vez em que me refugiei com o marido numa pousada de estilo indiano no fiofó de Penedo, comendo só comida vegetariana e fazendo yoga todos os dias. Eu deitava na rede, na varanda, e lia Coração das Trevas, enquanto as araras cantavam nos galhos ao redor. Perfeito!

A razão pela qual as reuniões com a minha família eram tão traumáticas resumem-se, basicamente, em três palavras: depressão, pessimismo e ressentimento. Não vou dar nome aos bois, por respeito aos meus entes queridos, mas eu acabava no grupo do ressentimento. Não pensem que não tentamos nos esforçar por reunir todo mundo num clima de paz, porque tentamos, mas sempre algo dava errado. Dessa vez, no entanto, deu certo.

Meu marido é super família e se esforçou muito, montando uma árvore linda, dando carona pra todo mundo que estava distante ou a pé e deixando claro para todos como isso era importante para ele. Eu, um tanto quanto descrente, fui atendendo-o por amor, porque ele merece. Mas comprei um engradado de cerveja só pra mim, pensando: se tudo der errado, fico bêbada e esqueço tudo. Deprimente, eu sei.

Sabendo da nossa frustração com os Natais passados, as pessoas realmente tentaram se conter na rabugice e todos se mostraram, adoravelmente, gentis e animados. Rimos muito, oramos juntos em volta da mesa, dançamos, rasgamos seda, foi lindo! E não precisei ficar bêbada!

Agradeci, sinceramente, a cada familiar e ao meu amor por esse dia lindo, que deveria ser tão fácil de praticar, mas por motivos inúmeros e complexos, não é. E, então, surpreendi-me lembrando uma citação do livro Comer, Rezar e Amar, que deveria ser lida e considerada por todos com seriedade (ah, se fosse fácil!):

A felicidade é consequência de um esforço pessoal. Você luta por ela, faz força para obtê-la, insiste nela, e algumas vezes viaja o mundo à sua procura. Você precisa participar o tempo todo das manifestações de suas próprias bênçãos. E, uma vez alcançado um estado de felicidade, nunca deve relaxar em sua manutenção, deve fazer um esforço sobre-humano para continuar para sempre nadando contra a corrente rumo a essa felicidade, para permanecer flutuando em cima dela.

Acredito sinceramente, a despeito do clichê enorme que é, que a nossa felicidade só depende do nosso desejo e do nosso esforço. E tanto a nossa felicidade quanto a nossa miséria interferem no estado de espírito de quem está próximo. Portanto, façam um favor a si mesmos e às pessoas que amam: não esperem que a felicidade lhes seja entregue embrulhada em laço de fita por outrem, porque isso não vai acontecer!
Busquem com fervor e seriedade a própria felicidade, encarando as consequências que surgirem.  Assuma essa responsabilidade, vale todo o esforço!

Uma vida muito feliz a todos!
;)

17 comentários:

  1. Querida...fico imensamente feliz por finalmnte seu Natal ter dado certo. Suas palavras são lindas....almnte a Felcidade é u estado de espírito e nós temos que nos esforçar para mantê-la...depende apenas de nós. Muita paz, luz, amor e saúde em 2011. Que vc continue nos encantando com s doçura e sua beleza! Bejos, Dany

    ResponderExcluir
  2. É isso mesmo, adorei! A felicidade é uma escolha, temos que acordar e pensar o que queremos fazer com nosso dia, tentando torná-lo o melhor possível. Não é simples e nem fácil, mas quando conseguimos é extremamente gratificante! Que essa felicidade do seu Natal esteja presente em todos os dias de 2011!
    Beijos

    Carmen
    www.coisasdecarmen.blogspot.com
    www.lojalittlesisters.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. É, acho que não há muito o que acrescentar, Aline. Muito embora eu não tenha do que reclamar e nem de longe me vejo triste, os Natais continuam sendo mais uma data no calendário pra mim...

    Beijo grande! Saúde, amor e paz.

    =D

    ResponderExcluir
  4. Aline,
    Ás vezes eu fico tão impressionada com as coisas que você escreve.. Eu já tive muitos motivos para querer que o Natal não existisse. Mas no ano passado e neste, tive aquilo que sempre sonhei: um natal de paz, com todos reunidos e com respeito. Como é bom, não é? Fico imensamente feliz que tudo tenha dado certo com os seus, pois sei bem o quanto isso significa e, mesmo sem te conhecer pessoalmente, tenho certeza de que você merece isso tudo.
    um grande beijo!
    Re

    ResponderExcluir
  5. Para vc também

    obrigada pelo texto!!!

    bjs

    ResponderExcluir
  6. Bianca, a questão não é o Natal, o Ano Novo ou qualquer data, entende? É conseguir reunir as pessoas sem que se matem, é deixar de ser tão crítico, egocêntrico, cricri, sabe? É saber exercitar a gentileza, a companhia, a boa vontade. É perceber que reunir todo mundo é raro e deveria ser bom. Ainda que por poucas horas, porque ninguém precisa ser sociável. Mas gentil e civilizado já está muito bom.

    Beijoca!

    ResponderExcluir
  7. De todos os blogs que eu acompanho, o seu é o que mais tem palavras bonitas e de sabedoria. Não é só moda, só futilidades, é vida também. Obrigada por compartilhar isso conosco. Beijos! E Feliz Natal!

    ResponderExcluir
  8. você conseguiu descrever exatamente o q tenho sentindo. de que adianta reclamar, xingar e chorar, se esses comportamentos não sao acompanhados de uma atitude concreta em relação aos obstáculos. O que está entre nós e nossos objetivos? Na maioria das vezes nós mesmos e nossa inércia!!!!!!
    E vc fez muito esforço!
    Parabéns!
    Fez por merecer...

    ResponderExcluir
  9. Aline, que ótimo ler esse post! fiquei muito feliz por ti, e por esse teu natal tão bom :) lembrou meu natal do ano passado, onde eu, minha mãe e meu irmão nos reunimos para comer lasanha e assistir Uma Família da Pesada, e pela primeira vez desde a minha infância (longe das obrigações de todos os anos) fomos felizes pra caramba numa noite de natal. isso é tão bom, né?

    um super beijo, um feliz natal (vale atrasado?), e se eu não te ver mais até o ano q vem, um 2011 super estiloso para todas nós :)

    ResponderExcluir
  10. Pois eu digo que sei como é isso... até uma certa idade, meus Natais eram assim também! =/
    O bom? É que se você persiste no bem e nas boas energias, elas contagiam o universo ao seu redor! Que bom que deu tudo certo este ano! =)

    Um beijãozão, querida!

    ResponderExcluir
  11. Nossa, nem sei como é isso. Minha familia sempre foi tão unida e os natais super alegres. Que bom que finalmente teve um natal feliz.
    Suas palavras são muito edificantes, amei a citação.

    beijocas

    ResponderExcluir
  12. Também fiquei contente que tudo saiu certinho neste Natal. As pessoas deveriam praticar a gentileza todos os dias, sendo que nestes dias de festas ela deveria ser coadjuvante de todas as outras boas qualidades.
    Enfim, seu texto foi tocante. E que possamos desfrutar de toda a felicidade do mundo.
    Beijocas!

    ResponderExcluir
  13. Que fofo e que humano esse post Aline, eu sou da opinião que cada deve comemorar essas datas do jeito que se sentirem melhor e devem se cercar de pessoas que pensem e sintam da mesma forma. É lógico que qualquer evento e encontro em que o amor seja o fator principal, é sempre muito válido. Eu, há uns 3 anos que passo natal sozinha em casa, durmo cedo e sem problema algum, sem tristezas ou algo do tipo, mas sinto ainda muita resistência das pessoas em relação ao meu jeito de passar essa data, o que eu acho engraçado que algumas pessoas acham mais normal passar o natal rebolando funk até o chão ou num clima chato em familia, do que simplesmente não comemorar. Bom, isso foi só um desabafo...kkkk o que importa nesse comentário é que você ficou feliz com a sua comemoração. Beijos e que você tenha mais uma comemoração perfeita no reveillon.

    Jaci- a menina do Detran

    ResponderExcluir
  14. Adorei sua resolução do fardinho se acaso os planos dessem errado.
    Compartilho desse seu pavor, pra mim o mais chato é a "obrigação de ser feliz", a hipocrisia de sabermos que temos problemas mas que nesse momento eles serão ignorados, e nunca considerados problemas.

    Gostei muito de toda a sinceridade deste post, e tenho tentado ultimamente seguir direções parecidas. Ficar perto de quem a gente realmente gosta e celebrar não só o natal. Pelo menos é o que eu e minhas irmãs tentamos fazer.

    Adorei a nova playlist. Desejo um novo ano maravilhoso, com delícias ainda maiores que as de 2010 !

    ResponderExcluir
  15. Oi Aline,

    Não queria transformar esse seu espaço (maravilhoso, vc sabe que eu acho maravilhoso) em um lugar para meus desabafos, mas foi inevitável não me encontrar um pouco no seu texto, me emocionei e segurei as lágrimas (te escrevo agora do trabalho). Vivemos em mundo onde todos são um pouco diferente um dos outros, outros são bem diferentes, mas é inveitável não nos identificarmos com certas coisas. Existem familias de todos os tipos e pessoas tbm.
    Mas lendo seu texto me achei no seu sentimento sabe.
    Faz anos que não sei o que é um natal com a magia do natal.
    Aliás, muitos anos.
    Faz uns 6 anos que me toquei que eu ficava deprimida nos natais e não apenas eu, sentia minha familia assim tbm, alguns depres e outros felizes apenas pelo lado da festa, se esquecendo o verdadeiro sentido.
    Me sinto vazia e não gosto muuito dessa idéia de natal sabe, ao mesmo tempo me condeno, pq penso que se eu colocsse no meu coração o que o natal realmente significa, tanto me importaria se eu tenho um peru para comer ou se tem arroz e feijão. Se tem presentes, se tem parentes.
    Este ano tive que passar longe do meu namorado, um namorado que não é apenas um namorado, é alguem que eu quero ficar para sempre, enfim, deixei de passar com ele por causa da minha mãe, do meu pai. Penso que eles estão velhinhos e eu tenho que aproveitar o máximo com eles. Mas o que recebi em troca foi meu pai querendo dormir cedo, as pessoas com rostos tristes, chateadas, entediadas e isso me aborrece tbm.
    Bom, só quero dizer que entendo o que vc sente em relação ao natal e todo esse ressentimento e que fico feliz por vc ter tido o prazer de ver sua familia reunida neste natal e ter sido legal isso para vc.
    Ah e vc tem sorte de ter o marido que tem! Muitos estão pouco se importando, o seu fez de tudo pra te ver feliz. Um presente!

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Olá Aline!
    Achei o seu blog no de uma amiga e vim dar uma olhadinha, fui lendo e parei neste post...
    Entendo perfeitamente que família é um negócio muito complicado e a minha não é nem um pouco diferente, por iniciativa da minha mãe, que convidou uma irmã dela e sua família, não caímos na mesmice de todos os natais e acho que pela primeira vez nos divertimos bastante mesmo.
    Eu, assim como todo mundo, também estou nesta busca pela felicidade e sei que ela esta nos pequenas coisas, nos pequenos gestos, fazer o que gostamos e também fazer certos sacrifícios as vezes e sermos surpreendidos.

    Estou com medo de tomar uma atitude que com certeza terá muitas consequências para os próximos meses, mas eu preciso sabe, estou com uma coisa já me oprimindo e se eu não tomar uma atitude... é a minha felicidade, o meu bem-estar, que estará em jogo.
    Foi muito bom ler este teu texto neste exato momento...

    Obrigada!

    beijos

    ResponderExcluir
  17. Oi Aline!!! Amei!!! A felicidade é bem isto!!! BJOKAS

    ResponderExcluir