domingo, 23 de janeiro de 2011

Vem por aí

Acredito que esteja implícito pra quem costuma ler esse blog que não dou muita trela pra desfile, fashion weeks e similares. A verdade é que gosto de moda como manifestação das subjetividades e idiossincrasias pessoais, ou seja, a moda que o povo faz nas ruas. Além disso, como não tenho formação ou leitura nessa área, prefiro não me meter a besta de tecer comentários rasos ou irrelevantes a respeito do desfile de A ou B.

Isso dito, venho relatar o único sentimento que o Fashion Rio me suscitou: ansiedade. Já explico. Estava eu deslizando a tela do meu reader, lendo os blogs amigos entre um processo e outro (é, vida de aspone não é tão empolgante! Oh...), quando cheguei à página da querida Carol, que está relatando seus favoritos da semana supracitada. Qual não foi o meu deleite ao perceber que os cortes e modelos retrôs que tanto amo estão todinhos lá, acompanhados dos meus amados oxfords! Que as cinturas marcadas, silhuetas cinquentinhas permanecerão serelepes, ao lado de calças cenouras, golas secretárias com uma vibe 70’s!

Dá uma olhada:

Andrea Marques: cintura marcada, gola secretária, comprimento midi

Aquastudio: cintura marcada, silhueta cinquentinha, xadrez vichy, oxfords com meia

Ausslander: cintura marcada, mas gostei mesmo foi dessa capona da 1ª foto

Nica Kessler: renda, minha gente (\o/), e mais silhueta cinquentinha

TNG: já pode chorar de alegria? 
Olha os oxfords, o xadrez, a cintura alta e a capa linda aí, meu povo!

TNG novamente, apostando no tomboy style


Significa (espero!) que, cedo ou tarde, as lojas de departamento estarão disponibilizando releituras acessíveis por aí, pra fazer a nossa alegria (muitas já estão há algumas temporadas...).

Eu estabeleço uma relação muito afetiva com minhas tranqueiras (quem não?). E roupas (e objetos)  retrôs me transportam para filmes antigos, livros, romances clássicos, contextos onde a utopia ainda fazia sentido, ainda arrebatava corações. Esse momento pós-moderno, pós-utópico, em que a gente sabe que tá tudo uma merda e a culpa é nossa me deixa profundamente entediada! 

#prontofalei!  

Além disso,  cintura alta e marcada e saia evasê valorizam minha silhueta pêra, criando uma ilusão de magreza. Fora que são clássicos, né?

Entonces, esperemos... e economizemos!

;) 

fotos: tudo catado do blog da Carol

6 comentários:

  1. mas tb é nesse momento pós moderno em que todas as individualidades podem se expressar, todos podemos ser quem somos, sem certo e errado. e o melhor é que podemos usar as peças lindas dos anos 50 e sermos livres...
    bj

    ResponderExcluir
  2. Adorei o post... e concordo em muito com vc!!!
    Beijinhos, lidna e ótimo domingo... e as receitinhasss? Adoroooo...rs..
    Beijinhos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  3. Doçura,
    TEM NOVO SORTEIO ROLANDO NO BLOG CHÁ COM CUPCAKES, É SÓ SEGUIR AS REGRINHAS PARA PODER PARTICIPAR.

    http://cha-com-cupcakes.blogspot.com/

    BEIJOS

    ResponderExcluir
  4. Aline, sério, vc existe?? As vezes eu venho aqui e parece que você tirou as palavras da minha cabeça. Essa semana eu passei super mal por causa dessas mediocridades da vida cotidiana e que por mais que você lute, uma hora ou outra elas acabam te consumindo. Torci muito para chegar o fim de semana e eu ficar quietinha em casa, no colo do meu marido e visitando os blogs de vcs, para ter certeza que existe vida inteligente lá fora e que um dia eu vou ter ao meu lado no trabalho uma pessoa assim como vc, que dê valor à moda como "manifestação das subjetividades pessoais".
    Sim, porque essa semana eu ouvi que se vestir bem é colocar uma calça jeans e uma camiseta. Nada contra, nos dias de preguiça, é a primeira coisa que me vem na mente, mas eu me pergunto onde está a subjetividade dessas pessoas?
    Tudo bem que ninguém precisa pensar da mesma forma que eu, mas eu acredito que mesmo aquela pessoa que não está nem aí para a moda, coloca um pouco do que ela é no que ela veste. Eu me pergunto então quem é a pessoa escondida por trás da calça jeans e da camiseta branca?
    E de todos os desfiles, o da Andrea Marques foi sem dúvida o que mais me encantou. Depois eu vi uma entrevista com a própria Andrea e me encantei ainda mais.
    Desculpa o comentário longooooo, mas eu precisava desabafar kkkkkkk E, por favor, continua existindo nessa sua Casa de Bonecas porque ela é um dos meus refúgios quando esse mundo medíocre resolve tirar a semana para me engolir.
    Beijossss e uma boa semana para nós!!
    Tati

    ResponderExcluir
  5. Eu tô aqui só esperando pela creyssalização dessas tendências aí, que não tardam a chegar em alguma novela e nas lojas populares.

    Mas Aline, eu também tenho muito esse sentimento do tédio pós-moderno e pós utópico. Concordo com vc em gênero, n° e grau. Pelo menos com as nossas roupitchas retrôs a gente pode ser feliz um pouquinho.

    ResponderExcluir