quinta-feira, 17 de março de 2011

Dica de leitura - "A Confissão"



O último romance do escritor, teórico e professor Flávio Carneiro, A Confissão, reúne alguns dos melhores artifícios literários dos chamados romances pós-utópicos. Tendo sido finalista do prêmio Jabuti de literatura, A confissão agrada tanto a um leitor mais refinado quanto ao grande público.

Narrado em primeira pessoa, trata-se de um relato, ou melhor, da confissão de um personagem anônimo que se descobre detentor de um dom, que é ao mesmo tempo dádiva e maldição. Este dom conduz o protagonista a uma jornada que mescla o prazer à morte, ao reunir uma gama considerável de conhecimento e habilidades. Entretanto, exausto após anos de peregrinações infindáveis, ele se vê com um desejo incontrolável de retornar à cidade de origem, o Rio de Janeiro, e, de volta, percebe que nada mais há para ser buscado ou aprendido. Angustiado, seqüestra uma senhora da alta sociedade e decide lhe contar toda a sua história, na tentativa de recobrar o controle sobre sua própria vida. É claro que a escolha desta mulher não é aleatória, mas o real motivo que a teria motivado só conhecemos ao final da narrativa.

Para a tessitura do texto, Flávio optou por uma linguagem limpa, correta, que não abusa nem de excessiva erudição, nem de um simplismo coloquial. O relato é construído de maneira investigativa, assemelhando-se às narrativas policiais, sendo que, de dentro da narrativa principal, a do protagonista, emergem as histórias das mulheres que ele conheceu, dos diálogos que tiveram, das confissões que lhe ofereceram, das memórias de que se apropriou. E a cada nova história, surgem novos mistérios que não se revelam e acabam culminando no enigma principal. Esse entremeado narrativo, longe de confundir o leitor, o atrai inevitavelmente pela força da expectativa, que a cada nova história é potencializada.

Além disso, o autor articula magistralmente o fantástico ao verossímil, como se aquele se inserisse naturalmente no mundo que conhecemos. O leitor se adere ao prazer do suspense e é traído por um final surpreendente, que há de deixá-lo à deriva.

Ao nos tornar cúmplices de terríveis segredos, o romance A Confissão, não só nos estimula a curiosidade e o interesse com uma narrativa envolvente, mas também nos ensina que uma metáfora bem construída pode permitir reflexão e deleite mais profundos e efetivos.

A Confissão
Flávio Carneiro
235 páginas
Rocco

#Leia aqui a entrevista que fiz com o autor, em 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário