quinta-feira, 10 de março de 2011

Você se veste para quem?



Essa semana, li num blog (não lembro qual, mas não citaria se lembrasse) um post que contrastava looks “espanta-machos” e looks “atrai-machos”. No início, achei que fosse piada, mas depois percebi que a coisa tinha pretensão de #ficaadica.

Sem querer alfinetar ninguém, porque odeio indiretas inflamadas de 5ª série e respeito a opinião das pessoas, confesso que foi bem difícil não me incomodar com o pensamento que subjaz nessa preocupação.

Infelizmente, ainda há mulheres que se vestem para homens, seja lá o que isso queira dizer: para agradá-los? para atraí-los? 

Não quero destilar preconceito aqui, muito pelo contrário. Pretendo convidá-los a refletir comigo. Vocês não acham que há um machismo inerente na preocupação em se vestir para os homens? Por que devemos nos preocupar com a aprovação dos sagrados-machos-para-todo-o-sempre-amém? Por acaso, os homens têm essa preocupação? Meu marido certamente não tem, pois nada o afasta das suas amadas camisetas de banda e de cartoons e das havaianas. Fico incomodada? Não mesmo! É o que ele gosta de usar, então, que “seja felizão!”

Ele, por sua vez, também respeita meus gostos fashion, muitas vezes maluquetes. Sei que intimamente ele prefere que eu use o velho combo jeans – camiseta - all star, mas a minha satisfação é mais importante para ele, afinal, sou mais que uma bunda enfiada num vestido. Logo, não entramos em atrito por causa disso (nem valeria a pena, né?).

Sei que é bem provável que a maioria das mulheres se vista, de fato, pensando em outras mulheres - as tradicionais detentoras do místico código de moda, já que, culturalmente, temos parte de nossa educação embasada por revistas femininas, que nos contextualizam a respeito do universo fashion. Se não nos vestimos pensando na aprovação das amigas, muitas de nós o fazemos sabendo que elas vão “nos entender”, que vão saber de onde tiramos a idéia de usar uma pantalona, por exemplo. 

Mesmo nos casos em que o alvo da vestimenta é o público feminino, fico incomodada porque vestir-se para o outro denuncia a necessidade de sermos aceitas, aprovadas. Entendo que roupas possam aproximar pessoas. Eu mesma tenho uma velha amiga que só puxou assunto comigo porque eu estava usando uma camiseta dos Beatles, ou seja, percebemos afinidades devido a uma peça de roupa. Foi ótimo conhecê-la, mas não pus aquela camiseta pensando nisso. Pus porque sou beatlemaníaca e o fato de esbarrar com outra Beatle lover enquanto levava meu irmão caçula para o colégio foi uma dessas surpresas que o destino resolve nos pregar. Não significa que todos os fãs dos Beatles do mundo sejam meus amigos em potencial. Inclusive, tenho amigos com gostos bastante diversos do  meu, o que mostra que a nossa apresentação imediata não interfere, de fato, no que realmente importa. 

Acredito que as relações individuais significativas não sejam determinadas pela roupa, ou pela cultura, que a gente consome. Em geral, esses atributos ajudam no primeiro contato, mas não são garantia de uma relação duradoura ou consistente. É do ser humano se agrupar por afinidades e semelhanças, mas viver em função desse comportamento é uma via fácil, que pode, algumas vezes, ser limitatora .

Pautar a escolha da vestimenta tendo em vista a aprovação de alguém é não só um ato de redução de si mesmo, como uma espécie de violação da própria subjetividade. Sim, estou sendo dramática. É que sinto calafrios em pensar que muitas meninas deixam de vestir o que gostam para se trajarem como manequins de uma vitrine para o consumo masculino. Conduzida por esse raciocínio, eu jamais usaria óculos nerds ou oxfords. Mas isso não me convém. Não estou interessada em homens ou mulheres que me julgam pelo que visto. Ninguém tem nada com isso! Não sou um objeto de deleite a ser consumido por outrem. Minha existência não é orientada por quantas ereções sou capaz de causar. Além disso, “bom gosto” em roupas não é indício de superioridade de caráter, vide Galliano em recentes episódios.

Vestir-se para si mesma faz parte de se amar, de respeitar os próprios anseios e preferências, de se reconhecer como indivíduo único, pensante, complexo e importante; é também um passo para respeitar a diferença proveniente da individualidade de cada um. E a diferença, minhas amigas, é uma das mais belas e ricas virtudes da humanidade.

Que tal cultivá-la?

24 comentários:

  1. Legal teu post.

    Nós, mulheres, enchemos o peito para falarmos das conquistas oriundas de nossa luta, mas esquecemos que alguns panoramas culturais ainda não mudaram e infelizmente graças a nós mesmas.

    Isso é algo cultural, que aprendemos de berço. Lembro-me com meus 15 anos e minha mãe dizendo: "Vista meia calça que os homens adoram". Na época, claro, sem discrepância do certo ou errado, seguia o conhelho, mas isso hoje me revolta, mas não a culpo, pois da mesma forma ela aprendeu com a mãe dela, e assim por diante. Vivemos numa sociedade machista, sim, onde a mulher é explorada pela mídia (vide revistas e reality shows da vida) e o pior, por ela mesma. Acho que conscientização é a palavra-chave nessa caso. Conscientização do que temos e do que podemos ser capazes, independente das regras criadas para nos cegarmos. A mulher precisa primeiro se amar para ser amada.

    ResponderExcluir
  2. Querida Aline, sábias palavras,como sempre!
    Se dependesse do gosto do meu maridão, por exemplo, acho que quase metade dos sapatos que eu gosto ia pra lixeira...rs
    Posso provocar mais uma reflexão? Mas essa talvez mexa mais fundo ainda: comprimento dos cabelos.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. oi querida!

    olha, em primeiro lugar, eu não costumo comentar posts, pq não tenho vontade. mas essa tua discussão me mobilizou. obrigada por isso!

    bueno, pensei pra quem eu me visto e penso que é para mim. acho que a minha roupa, o meu visual é apenas aquele que poderia ser. sendo eu, só posso me vestir assim. evidente que gostamos de ser elogiadas e de nos sentirmos bonitas e atraentes para os nossos maridos. mas pensando na vestimenta como expressão de mim, de uma forma mais completa e contemplando minha subjetividade, o elogio vem pra quem eu sou, inteira. entendo que a percepção do visual do outro nos diz muito sobre ele. assim, alguém que curtisse minha roupa e a elogiasse, na verdade estaria dizendo: "que legal q tu é, ana!". mas isto só ocorre qdo a roupa é expressão de NÓS MESMOS, e não uma fantasia pra agradar alguém (que, na verdade, não vai funcionar!).

    e num relacionamento se não é o teu todo que conta, conta o que? a bunda e o coxão? eu acho que talvez estejamos falando de estilo, também. algo que só tem quem se conhece, quem se curte, num certo sentido. e além disso, se respeita.

    uma beijoca, bom dia!

    ResponderExcluir
  4. aline, vc tirou as palavras da minha boca (aliás, acho até q um dia escrevi algo assim lá no blog, mas agora eu não lembro onde, e tô sem tempo de pesquisar). é isso aí mesmo, me visto pra mim mesma, e não pra atrair alguém q só vai ficar comigo se eu mudar meu modo de ser. humpf! ;)

    outro tipo de comentario q incomoda eh aquele q vem cheio de boa intencao, em geral de outros homens, dizendo que 'ah, nao precisam se preocupar com x ou y (insira aih no x ou y o q quiser: celulite, roupas, abdomen, etc) pq homem nao se importa com isso'. oi? e eu com isso? se algo ME incomoda, ME chama a atencao ou ME atrai, eu vou me preocupar com isso o qto eu quiser, thank you very much. esse comentario pra mim eh ainda pior, pq eh super ofensivo tbm, mas quem faz nao percebe isso, e acha q estah posando de baita compreensivo.

    (argh, to voltando a trabalhar hoje e descobri q meu teclado ta todo desconfigurado, desculpa aih pela digitacao, vou tentar arruma-lo).

    beijo!

    ResponderExcluir
  5. Aline, ainda acho que somos julgadas pelo que vestimos (acabamos sendo rotuladas), mas isso não pode interferir na forma como vivemos, na nossa personalidade e atitude.

    Infelizmente, blogs como o que citou estão sendo apontados como "top", por Constanza Pascollato, na Vogue de Março. =/

    ResponderExcluir
  6. Muito bom o texto, disseste tudo o que penso! Eu nunca vou deixar de usar uma roupa que gosto e me sinto bem porque este ou aquele não gostam ou porque não está na moda. Sou EU que visto, sou EU que ando pra cima e pra baixo com a roupa, por isso EU me visto para mim.

    ResponderExcluir
  7. Concordo plenamente!!!!!!
    E acredito que o modo em que nos vestimos, passa a informação de quem realmente somos.
    Eu pelo menos costumo me vestir conforme a minha personalidade e a pessoa que se veste pra mostrar para os outros só tenho a lamentar!!!!!
    Bjo

    ResponderExcluir
  8. Como é bom te ler!

    ResponderExcluir
  9. Aline, vc escreveu tanta coisa interessante e tão bem escrita que fica difícil acrescentar algo.
    Será que precisa?
    Adorei.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Excelente post! Como sempre, você escreveu muito bem! Eu nunca me importei com a opinião de ninguém em relação ao que eu visto. Se me sinto bem, é isso que importa. Muitas vezes, quando perguntava à minha prima sobre determinado look, ela fazia caras esquisitas e dizia que não gostava, mas eu nunca mudei uma roupa minha porque alguém que não seja eu não estava satisfeito. Meu marido é totalmente oposto a mim. Eu gosto de coisas diferentes, cheio de detalhes e ele gosta do mais básico possível, mas ele nunca me criticou ou falou mal por estar usando uma roupa. Ele respeita o que eu gosto e eu acho bom.

    Outro detalhe engraçado: quando eu comecei a namorar meu marido, a única exigência que fiz foi que ele não poderia interferir em roupa nenhuma que eu usasse... e assim ele faz até hoje!

    Saudades de você!

    Beijos
    http://estiloemcapitulos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Aline eu vi um post q falava sobre se vestir pra machos tb, é claro q não dá pra se vestir pra homens pq eles sempre querem o mesmo,vestidos bandage grudados,shortinhos hiper curtos,cabelos loiros enormes,ou seja eles querem "a gostosa",e nem sempre é o q queremos né.Se depender do meu marido me visto sempre grunge,ele respeita meu estilo minhas tatoos e minha exposição na internet, ele tb é como o seu chinelão e bermuda ou camisa de banda, nos apaixonamos por nossos estilos.Amei o q vc escreveu, dizem q nos vestimos na verdade pra outra mulher mas eu tenho cá minhas dúvidas...bj

    ResponderExcluir
  12. Mais um excelente texto!
    Eu sempre digo isso, que visto é para mim mesma, e a maioria discorda de mim, que a pessoa se veste para ser vista e aprovada.
    Se me vestisse para homens, nunca usaria calça sarouel, por exemplo, mas uso e amo usar.
    O espaço que as mulheres deveriam defender é um lugar de respeito pelo que são como gente e não como símbolos sexuais.
    Acho triste.
    Muito bom o texto, amiga!
    Concordo com tudo!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  13. Oie flor, enfim consegui um tempinho para ler, já estava me dando brotoejas..hahaha

    Esses dias "briguei" com uma amiga por ela me dizer que não ia usar uma determinada sandália porque omarido achou feia e não queria ela usando calçado baixo, eu achei isso o cumulo.Eu sempre me vesti por mim mesma, hoje peço dicas e opiniões no blog, pra ver se consigo melhorar meu visual, mas não que eu precise da opinião das pessoas ou pra me vestir feito um manequim.

    Gostei do texto e acho que muitas pessoas deveriam ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Eu adorei seu texto. Honestamente me cansa o fato de algumas mulheres viverem pré-moldadas em agradar o sexo masculino. Seja na roupa, ou no comportamento. Tem muitas que deixam de ser o que realmente são em prol de um "emprego" de esposa.
    Pra mim é pura falta de amor próprio, que este sim, deve ser sempre incondicional.
    Super beijus

    ResponderExcluir
  15. lindaaaa, por essas e outras que eu adoro passar por aqui, porque tem um conteúdo, feito com gosto e com prazer sem o intuito de agradar ninguém... (mas que sempre acaba agradando... ahá)

    beijocas viu!

    ResponderExcluir
  16. Alinée, uso roupas que repelem a maioria dos homens. Sempre foi assim. O homem médio não gosta de bolinhas (coisa de vó), coturnos (acha coisa de tonhão)etc... sei disso pelo meu sobrinho, típico playboy homem médio. Ele sempre acha que eu estou estranha ou engraçada. Mas certos homens, daí eu digo, os homens especiais, feralmente com QI de 3 dígitos, não gostam só de calça colada e decote, eles gostam de mulher com estilo, e foi assim que chamei a atenção dos homens especiais que passaram por minha vida, especialmente do PK. Nunca me vesti para agradar os homens, o que é até simples, você só precisa de um vestido preto e curto, um jeans colado e decotes.
    Desde muito nova senti vontade de imprimir minha personalidade pela roupa. Nada pior que ter que se vestir para os outros, às vezes acontece, em algumas ocasiões. Mas posso dizer que já advoguei de saia, blazer e blusa de banda. hehehe
    bjks.

    ResponderExcluir
  17. Aline, eu ia escrever, mas a Mel tirou as palavras da minha boca rsrsrs
    Sério mesmo, você ainda mora em um lugar cosmopolita (imagino que o RJ seja assim), mas aqui as mulheres se vestem literalmente para os homens (vide a vulgaridade das roupas). É horrível, meu marido diz que vê a hora de algumas se colocarem de quatro e começarem a relinchar, parecendo umas éguas no pasto - desculpe o linguajar). Se eu fosse pensar (como a Mel bem disse), no homem médio (e médio aqui rima sim com medíocre), eu nunca colocaria um oxford ou uma calça boyfriend.
    As pessoas não param para pensar que a beleza do viver está no ser diferente. Que se todo mundo fosse igual, tivesse o mesmo manequim e a mesma cor de cabelo, a vida seria uma chatice só e haveria sem sombra de dúvida um suicídio coletivo.
    Roupa diz sim um pouco de quem você é. Eu demorei a aceitar isso por causa dos preconceitos que rodeiam o mundo da moda, mas depois que eu percebi o quanto pode haver de artístico na forma como você se veste, minha visão mudou. Existem duas formas de se comprar um sapato desenhado por um estilista famoso (e talentoso), assim como existem duas formas de se comprar um quadro de Picasso ou uma antiguidade: a primeira você compra porque aquilo realmente mexe com você, porque você acha belo e quer possuir como uma peça única. A outra, que é infelizmente a mais pregada hoje em dia, é consumir simplesmente por consumir, comprando 15 coisas iguais, como se fossem tomates numa feira. A diferença é que da primeira forma você aprende, você cresce, se desenvolve. E da segunda, você só faz aumentar o vazio dentro de você.
    Enfim, muito obrigada pelo comentário lá no blog. Queria ter tempo de atualiza-lo mais, mas trabalhar e estudar é dificil!! Mas sempre que vejo um comentário teu, fico muito feliz porque te admiro de verdade.
    Beijos,
    Tati

    ResponderExcluir
  18. Fico tão feliz por ser seguidora do seu blog, eheheh!

    Acho que o abandono da cultura machista, entre homens e mulheres, não será na nossa geração. Tenho certeza que muitos já mudaram, mas ainda não são maioria.

    Confesso que não tenho nada contra se vestir para agradar o namorado, DESDE QUE isso não vá contra seu gosto ou domine a sua forma de vestir. Meu namorado, por exemplo, gosta de calça justa. Como eu não sou muito fã, porque acho que me deixa com o bumbum muito grande, adaptei a ideia usando a calça com bata ou vestido curtinho. Assim, agradei a mim, a ele, e descobri uma maneira confortável de usar roupa mais justa, rs.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Meninas, amei a participação de vocês! É muito bom ver que minhas leitoras estão atentas a certos condicionamentos, e que estão dispostas a refletir.

    Em tempo, o blog onde li o tal post sobre looks para agradar homens não é o blog gringo indicado pela Vogue - o manrepeller.com - que é ótimo, por sinal, porque a blogueira não está nem um pouco interessada em agradar homens com seus looks.

    O blog que mencionei no post é brasileiro. Não lembro o endereço, mas não citaria se lembrasse porque o objetivo desse post não é criticar ou agredir a blogueira, mas refletir sobre o comportamento discutido.

    Beijinho em todas!

    ResponderExcluir
  20. "Minha existência não é orientada por quantas ereções sou capaz de causar" - acho que essa frase resume tudo.
    As popozudas de plantão só tem isso na cabeça, que infelizmente é uma 'preocupação' mais comum do que deveria ser. Talvez para quem não tem nada na cabeça, é de suprema importância ter uma bunda/peitão relevantes.
    Meu marido sempre dá muita opinião na minha roupa. Mas sempre de forma construtiva e muitas vezes ele me surpreende com sugestões bem legais e toques que passariam despercebidos por mim, que estou prestando atenção em coisas que ele nem viu. Ou seja, COLABORAÇÃO é sempre bem-vinda, IMPOSIÇÃO, não. Muito menos esse negócio de tem que ser assim ou assado. Ou podar a mulher de ficar linda e arrumada (não se expondo) pra não chamar a atenção de outros machos. Homem que é homem ama e quer ver a mulher bonita e, se outros olham, ele até fica orgulhoso e pensando "essa é a minha mulher!", não no sentindo pegador do termo, mas no sentido carinhoso.
    Homem que esconde demais ou quer ver coisa demais tem algum problema. Como tudo na vida, são necessários equilíbrio e autoconhecimento.
    ADOREI o texto, como sempre! E adorei a foto como guarda-chuva!! A própria parisiense! *.*
    Beijinhos mil, queridaaaaa!!

    ResponderExcluir
  21. Oi Aline, adorei o texto.
    Sabe, concordo contigo, devemos nos vestir de acordo com o que gostamos e não para agradar ninguem.
    Mas eu sei que existe mulheres que sim, ainda se vestem para chamar homens ou até mesmo se sentir emlhores que as outras (a famosa concorrencia feminina) para quem ganha mais os olhares nos lugares. Se não fosse assim não teria tantas meninas andando semi nuas por ai, não me digam que é calor.

    O mesmo acontece com aquelas que deixam d eusar muitas coisas pq maridos e namorados não gostam.

    Eu mesmo, tem certas coisas que o Lucas não gosta, diz que é infantil demais, que tenho que agir como uma "muler de 25 anos", mas não farei isso, pq não acho que ser uma mulher de 25 anos seja mudar meu jeito e meu estilo, a maturidade demonstro em meus atos.
    Ponto. Corto ele e não deixo de usar o que ele não gosta.

    Por outro lado, as vezes, é gostosinho colocar algo que a gente sabe que vai agradar o namoradão o maridão, mas tudo tem limite. Agradar por vontade proprio é uma coisa, mudar todo nosso estilo por uma dose de obrigadação não.


    Beijocas linda! Adoro seus pontos de vista.

    ResponderExcluir
  22. Oi Aline infelizmente ainda existe este tipo de pensamento eu tenho 24 anos ando com roupas de bolinha,laço no cabelo e mais outros frufus e como contraste tenho vários piercing aqui em Belém do PA nossa as pessoas viram o pescoço pra rir ou sei lá o que NÃO LIGOOOO eu me amo demais me sinto bem desta forma e ponto final =) bj seu blog e muito bom.

    ResponderExcluir
  23. excelente texto !
    eu concordo com você . eu até estava pensando em escrever alguma coisa assim no meu blog, mas, estou enrolando há tempos . mas, agora, o seu texto me deu inspiração pra escrever o meu .

    seu blog é lindo demais . através dos seus textos, percebe-se que você possui uma enorme sensibilidade ( e que tem muito bom gosto ) . parabéns ! :)

    ResponderExcluir