quarta-feira, 11 de maio de 2011

Dica de leitura: Renée Esfacelada


Em 2008, a escritora Victoria Saramago estreou com seu primeiro romance, Renée Esfacelada, o qual proporciona uma inusitada experiência, já que enredo e forma compõem um todo original e ousado que nos convida a uma leitura em nada convencional.

Em primeiro lugar, temos o angustiante enredo, no qual Renée, cega e amarga, opta pelo ostracismo após uma brilhante carreira como cantora mirim nos anos 80. Faz de sua casa no Rio Comprido um microcosmo, onde se enclausura na companhia do filho indesejado, da empregada de quem depende e do filho desta, de quem se torna amante. A rotina de frustração e tédio é quebrada por Oswaldo, o admirador secreto cujas confissões feitas através de fitas de áudio e enviadas pelo correio conseguem amolecer o ego ferido de Renée.

Numa narrativa não-linear, ora em primeira pessoa, ora em terceira, a autora relativiza o foco narrativo, apresentando uma protagonista reflexiva e interlocutora de si mesma. Renée fala de si e para si, mas por vezes distancia-se tanto do narrado que parece dar vez a uma outra voz que narra de fora, como se descrevesse um filme, cuja protagonista não poderia ser outra. Imersa no próprio egocentrismo, Renée busca compreender as relações de ódio mútuo com o filho, de dependência com a empregada (e anteriormente com a mãe) e de incesto com o afilhado, bem como rememora os fatos e relações passados que a moldaram tal qual ela se mostra no presente, numa tentativa de recomposição do mosaico desmantelado que se tornara.

Após a cegueira e a gravidez indesejada, Renée se reconhece só e, como num espelho partido, concebe a si mesma fragmentada. A própria narrativa busca mimetizar essa fragmentação, esse esfacelamento da personagem, cuja vida é revelada em episódios partidos, desordenadamente, ao sabor das lembranças.

A linguagem, experimentada com ousadia, é também reflexo difuso da personalidade atormentada de Renée: altiva, complexa, redundante. Numa vida cujo glamour esvaiu-se em escândalos e decepções, resta a Renné retirar-se de cena, tornar-se única expectadora dos próprios devaneios e degustar do último resquício de requinte que lhe sobra: o lingüístico.

Entre taças de vinho e rompantes melodramáticos, Renée quer emergir do tédio. Enquanto Victória Saramago emerge, marcando sua estréia na cena literária. Começou bem.


Renée Esfacelada - Editora Multifoco


8 comentários:

  1. Deu vontade de ler!
    Boa quarta pra você.
    Beijos
    Nai

    ResponderExcluir
  2. Não sabia deste livro novo.
    Então Aline... Eu ainda não li "Passeio ao Farol", mas esta na minha listas assim como "As ondas" que dizem ser uma fase diferente da Virginia Woolf. Depois que eu acabar os livros da minha estante que acumulei para ler que ler este.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. adoro dicas de livros. ta anotada!

    xxx
    @Babyalicious

    ResponderExcluir
  4. nooooossa, anotadíssimo!


    abraço,
    priscilalopesl.com

    ResponderExcluir
  5. nossa, que bacana! Dica anotad! beijinhos, Dany

    ResponderExcluir
  6. Amiga, se esse livro for tão bom quanto a sua resenha, já vale muito a pena comprá-lo.
    Bjokas

    ResponderExcluir
  7. Gostei da história narrada
    vou procurar se acho o livro
    depois. bjs

    ResponderExcluir
  8. Ahh, adorei o blog, super fofo e retrô!
    :**
    Mari
    www.the-girlss.blogspot.com

    ResponderExcluir