segunda-feira, 9 de maio de 2011

Loja de departamento, minha amiga...

Dia desses, uma leitora comentou que eu poderia ser garota propaganda da Marisa, porque sempre uso alguma coisa da loja. É verdade. E não é só da Marisa, já que o grosso do meu guarda-roupa vem de lojas de departamento.Não consigo gastar muito com roupas, o que não é uma regra, mas certamente é uma constante.

Minha origem é muito humilde. Meu pai nasceu numa favela de Realengo e minha mãe é retirante, tendo vindo da Bahia com a mãe e os irmãos com total carência de recursos. Minha infância não foi de privação porque eles trabalharam muito, mas cresci escutando sobre o tempo em que só tinham um par de sapatos, ou sobre a média com pão na chapa que sustentava minha mãe o dia inteiro, enquanto ela trabalhava e cursava biologia na Uerj – a mesma universidade onde meu irmão e eu estudamos mais tarde.

Embora eu tenha podido cursar o ensino fundamental em escolas particulares e nunca me tenha faltado comida, não podíamos esbanjar. Gastar com futilidades era um luxo somente reservado às datas comemorativas, como aniversários e Natal. E mesmo sendo a última da minha turma a ganhar uma Barbie, ou a colecionar cds em vez de fitas cassete, isso nunca foi um dilema na minha vida, e nunca me ressenti ou senti raiva dos meus pais.

Na adolescência, o gosto pelo rock me oferecia alternativas mais baratas e criativas de looks, que prescindiam de marcas caras para se fazerem expressivos e originais. Só quando comecei a trabalhar em escolas, passei a me preocupar com dress codes específicos, mais sóbrios e profissionais.  E garimpar era lei. Dá-lhe Marisa, Leader e Lojas Americanas. O objetivo não era parecer chique, mas composta.

Daí, quando passei num concurso para um cargo com salário mais digno, sabia que podia me permitir umas roupinhas mais bacanas, mas não perdi as estribeiras. Eu estava mais preocupada em cuidar da minha independência e em juntar os trapos com o meu amor, que em me tornar um cabide ambulante de grifes.

Não vou bancar a hipócrita, dizendo que não ligo pra moda, que sou um ser iluminado que só compra por necessidade, economiza e sabe investir. Quem dera! Minha mentalidade é de pobre mesmo, não sei economizar por planejamento. Algumas vezes, acabo economizando porque já tenho roupas demais ou porque sinto tédio com o que as lojas oferecem. E, sim, o consumismo desenfreado me assusta (embora me atinja).

Lembro do tempo em que todo o meu salário servia para pagar contas. Comecei a trabalhar aos dezoito anos, dando aulas de inglês, português e redação, em cursos comunitários. Só ganhava a passagem, e meu objetivo era, na verdade, reunir experiência. Logo no primeiro ano da faculdade, passei num concurso para o IBGE, mas o cargo era temporário e o salário era baixo. Como minha casa e a universidade eram distantes uma da outra, eu gastava muito com passagem e alimentação ao longo do dia, além de toda a despesa com livros e apostilas da faculdade. Pra completar, eu fumava. Quando passei em outro concurso, com salário um pouco maior, mas ainda baixo, comecei a ajudar nas despesas de casa. Dinheiro, se sobrava, era muito pouco.

Hoje, a situação é melhor, mas está longe de ser um mar de rosas (ou de cédulas, rsrs). Embora, para as estatísticas, eu figure entre a classe média, continuo me achando pobre. Minhas coisas ainda são pagas com esforço. É claro que me permito um “pecadinho”, vez ou outra. Se me apaixono por uma peça, nunca compro imediatamente. Vou pra casa refletir e, se fico obcecadinha, compro. Mas no geral, compro mais em lojas de departamento.

Em primeiro lugar, sou do tipo que enjoa rápido das coisas. Daí que não vejo vantagem em pagar os olhos da cara por algo que vou usar sete vezes e esquecer que existe. Fora que, como tenho bastante roupa e acabo usando-as pouco, elas duram bastante, ainda que sua qualidade não seja das mais apreciáveis. Já me vi padecendo de angústia e arrependimento diante de um vestido de trezentos e poucos reais, com material e acabamento impecáveis, que eu sabia que usaria pouco. Sempre lembro disso quando fico tentada por algo mais caro. Portanto, se a tentação é grande, avalio o quão perene a peça pode ser diante das minhas oscilações de gosto e acabo preferindo itens mais clássicos e versáteis.

Sei que as lojas que usam material superior e investem mão-de-obra correta, cobram mais caro. Também entendo o processo criativo por trás de estampas e de uma identidade da marca. Mas a verdade é que a minha história me impede de ceder e aderir sem reservas a esse tipo de consumo. Como um prazer esporádico, não vejo problema. Mas levantar a bandeira de repúdio ao fast fashion é algo que não vou fazer. Não consigo permanecer alienada e impassível diante de uma peça de roupa que custe mais que as minhas compras de mercado.

Admito que as denúncias de uso de trabalho semi escravo e de plágio de estampas e ilustrações por parte das lojas de departamento são alarmantes. A questão é que esses problemas não são exclusivos desse tipo de loja, e se considerarmos que muitas das marcas mais caras e sofisticadas se envolvem em crimes de outra estirpe, mas igualmente indecentes, que nos sobra? Arrumar uma costureira e encomendar todas as roupas! Eu bem que gostaria, se conhecesse alguma que fosse muito boa, e se me sobrasse tempo para comprar tecidos, escolher aviamentos etc.

Diante de tal cenário, contento-me com as lojas de departamento, encarando as marcas mais caras e suas tentadoras peças como um extra, um prazer a ser experimentado com parcimônia. As lojas alternativas virtuais também são um verdadeiro vício para mim - mas merecem um post só para elas.

E vocês? Que postura costumam adotar?

41 comentários:

  1. Uau que poste bacana Aline, a maioria das pessoas é assim comovc, eu também, consegue as coisas com dificuldade e vai lutando a vida inteira por uma vida mais digna, não concordo com essa coisa desenfreada de seguir as tendências gastando tubos de dinheiro em uma peça de marca e ficar comendo ovo frito o mês inteiro, não tem lógica isso, moda é pra ser divertido, um processo de auto-conhecimento não de tortura, tem roupa bacana sim em lojas de departamento eu sou super adepta! bju

    ResponderExcluir
  2. Amei seu post,vc é prova de que ter bom gosto e se vestir muito bem,não tem nada a ver com gastar rios de dinheiros.
    Tbm sou de família pobre e sei como é difícil planejar o pouco dinheiro que se ganha,tanto é que aprendi a costurar sozinha e por pura necessidade de ter coisas do meu gosto.
    Pra mim,moda tem que ser algo legal,divertido,que transmita algo,sem ser escrava.
    Amo seus looks.É uma inspiração pra mim.

    ResponderExcluir
  3. Eu voto com a relatora.
    Aqui em Brasília tem uma feira, tipo de pequenos fabricantes, pequenas marcas e até sacoleiros. Compro quase tudo lá.
    E em lojão.
    bjks!!!

    ResponderExcluir
  4. E mesmo assim continua se vestindo belissima, adoro o seu jeito de vestir...
    pra quem mora sozinha como eu, sei bem como é isso de economia, acho um absurdo pessoas que se vangloriam por ter pago 500 ou 1000 reais em um pedaço de pano, sei quanto o dinheiro é sacrificado e por isso mesmo vou ao centro compra as minhas roupithas e nem por isso fico inferior a ninguem, claro que ficaria mais feliz se aqui na cidade tivesse lojas de departamento para tambem poder fazer a festa!

    ResponderExcluir
  5. Antes de comentar sobre as lojas, gostaria de dizer que gostei muito de saber sua história. E confesso também, que me identifiquei muito com vc, à respeito da dificuldade que passou e da vida economizada que teve. Eu tbm passei e ainda passo por isso, embora hoje viva uma situação bem melhor..rs
    Concordo com o que disse sobre as lojas, eu particularmente só compro em lojas de departamento. Acho que nunca entrei em uma loja de grife e não teria coragem de gastar meu suado dinheiro por lá.
    Esses problemas por trás da produção de peças de roupas também são problemas de grandes marcas, como Nike, por exemplo. Ela usa e abusa de mão-de-obra sabe se lá de onde..
    Neste caso, como é não dá pra ficar defendendo causas, opto por manter minha conta bancária mais saudável mesmo..rs
    Adorei viu
    Acho que por tudo isso, vc é uma pessoa maravilhosa.
    Beijocas

    ResponderExcluir
  6. Aline, adorei o teu texto! Eu sou completamente fã de lojas de departamento. Como aqui em Moçambique as roupas são muito caras e não há muita variedade, sempre comprei as minhas roupas na África do Sul, que é aqui mesmo do lado. E lá há imensas lojas de departamento que eu ADORO, aliás quase toda a minha roupa é de lá. Nunca na minha vida gastei imenso dinheiro numa peça de roupa, na verdade nunca me importei se a minha roupa é de marca ou não, desde que eu goste dela e a qualidade seja ok. Não percebo toda essa febre com coisas de marca, sinceramente. E sou como tu, penso sempre se vou usar determinada peça ou não. Porque muitas vezes agimos por impulso e isso é péssimo. Eu amo as minhas roupinhas de lojas de departamento, hehehe!

    ResponderExcluir
  7. Eu tenho uma postura muito parecida com a sua. Comecei trabalhar cedo, mais quando fui morar sozinha na época da faculdade comecei a dar valor para as coisas que realmente interessa.
    Eu compro muito em rua de comércio popular, bazares, fast fashion, liquidações e confesso que amo uma banca!
    Posso até cometer algumas sandices vez ou outra, mais sempre rola aquela perguntinha: Preciso mesmo disso?

    Beijus

    ResponderExcluir
  8. Muito bom seu post! Amei saber um pouco mais sobre a sua historia!


    bjus

    ResponderExcluir
  9. Lindinha, temos histórias bem parecidas. Minha mãe é de uma família humilde e passou por muitas privações. Meu pai é de uma "boa família", mas foi o cara que não deu muita sorte...
    ou sei lá !!! Rsrsrsrsrs...
    Enfim, somos 4 filhos, não tivemos luxo, herdávamos roupas dos primos (coisa que acho ótima, até hj gosto de herdar roupas das minhas irmãs, primas e amigas, pois acho que roupa não é descartável e se eu não uso mais, alguém com certeza vai usar) !!!
    Enfim, comecei a trabalhar aos 16 anos e sempre dei valor ao meu dinheiro. Quando era solteira comprava mais, mas hj em dia tenho muitas outras prioridades.
    Na maioria das vezes prefiro comprar roupas para o fufuquinho, do que para mim !!!
    Adoooro as lojas de departamento, acho que são uma excelente opção.
    Também gosto de feirinhas e brechós, acho que garimpando a gente sempre encontra coisas bacanas.
    Aprendi que dinheiro não nasce em árvore, que roupa não é pra se jogar fora e que existem coisas mais importantes na vida pra comprar e fazer.
    Prefiro viajar, comer em bons restaurantes e passear do que ficar enchendo o armário de roupas e sapatos !!!
    Adooorei seu post !!!
    Beijoooocas

    ResponderExcluir
  10. amiga...vc me conhece....sou exatamente como vc. Viva as lojas de Depto! Mas não critico quem use marcas caras e grifes..inclusive acho tudo lindo e fico babando. Mas a minha realidade não permite, então vivo como posso, sem me apertar. Eu amo moda, respiro moda e trabalho com moda, mas definitivamente não sou escrava dela. E existem tantas outras coisas legais na vida, como fazer viagens, jantar em lugares legais, enfim....atnto mais para empregarmos nosso rico dinheirinho, né? Cada um na sua e todo mundo feliz!!! beijocas! Dany

    ResponderExcluir
  11. Meninas, eu tb comprava muito em feirinhas e barraquinhas de rua, como Lavradio e as muitas que ficam no Castelo, onde já trabalhei.
    Hoje, passo por poucas. Uma pena...

    ResponderExcluir
  12. Gosto muito de lojas de departamento, principalmente a Renner e a Marisa. A C&A já foi mais barata, mas agora com esse monte de parceria com estilistas, modelos e cantores renomados, acabou que parece uma loja de multi-marcas mais carinha.
    Adoro garimpar pecinhas em vários lugares, não dá pra gastar rios de dinheiro se a gente tem outras prioridades, como casa própia, faculdade, etc, né? Mas que é muito bom se vestir bem pagando precinho amigo, isso é!
    Beijinhos! Adorei saber um pouquinho mais da sua história, Aline.

    ResponderExcluir
  13. Apesar de ter estudando em escola publica, tive alguns probleminhas na epoca da escola. Eu nasci em uma cidadezinha, onde não há fast fashion, ou vc usa "marcas" ou não. Aos 14 anos, com cabelo longo, camiseta larga preta e coturnos eu mudei para Mossoró, onde moro agora, aqui tem fast fashion, e a prefeitura pretende tornar a cidade em "Metropole do futuro" (rsrsrs) pois bem... Não fui muito bem aceita lá 8º série, que foi quando cheguei aqui, minhas blusas grandes, o coturno, as tranças que eu gostava, mochila, tudo era motivo para as meninas me acharem "do interior". Fora o problema de ter mudado de cidade, ter um namorado lá e talz. No fim do ano eu entrei em um cursinho para fazer o ensino médio em uma escola técnica, hj os institutos federais (IF). Lá conheci uma menina super bacana e que estava disposta a me ajudar, comecei a usar rosa, glitter, make. No Ensino Médio as coisas tenderam na mesma linha, minha irmã começou a vender em uma loja cara da cidade, e eu, que queria ser aceita, deixava de lanchar na escola e outras coisinhas mais só para poder comprar lá. Tinha duas blusinhas de marca mais que nunca usava, não tinha dinheiro nem para ir a esquina tomar sorvete. Mas o tempo foi passando, "voltei para o mundo do rock", comecei a comprar na Riachuelo e comecei a me sentir feliz por sobrar algum para ir com a blusinha "simples" tomar sorvete e até para pagar para as amigas chic. Sempre tive meu próprio dinheiro, dei e dou aulas particulares, e dou muito valor ao dinheiro que ainda recebo dos meus pais, ok. Eu até sou meio viciada em comprar ainda, e não vou dizer que não der vontade de comprar a "it peça" dá sim!!! mas fazer o que? foi comprando em fast que eu guardei dinheiro para ir em todos os simposios do curso de História enquanto estive a faculdade, comprei meu notebook, minha camera e posso sair quase sempre que dá vontade. Eu sou assim e estou feliz de verdade, o que me falta? Um emprego regular, mas já eu encontro rsrsrsr
    Eu ia comentar mais cedo, mas meus alunos chegaram e só agora eu pude terminar de ler o post, agora vou para meu curso de inglês, usando Marisa+Riachuelo+grenda.

    bjs

    ResponderExcluir
  14. Poxa gostei do post, mas a unica coisa que tenho a dizer é que pra vestir-se bem e com estilo nao é preciso necessariamente que use roupas caras ou de marca,mas sim que tenha bom gosto, porque no geral é isso que conta..

    beijo flor

    http://pinup-pos-moderna.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Aline, também sou de comprar em lojas grandes, pequenas e barracas. Tenho dinheiro pra comprar roupas caras, mas raramente compro, pois acho absurdos certos preços.

    ResponderExcluir
  16. Amore minha origem também é simples gosto de comprar mas isso não me "domina" não faço questão de roupas de marca é claro que de vez enquando me permito alguns mimos mas vivo de acordo com a minha realidade e não me sinto menos por não ter uma it bolsa ou it roupa de marca

    Adorei o post e a sua sinceridade

    Beijuxx amore

    http://soumagarota23.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. acho q o risco de 'derrapar' é maior qdo se tem mais grana, orçamento apertado em geral nos obriga a ser criativas. vejo mães de alunos com sobreposições ótimas porque o vestido herdado é mto decotado, ou c mix de estampas incrível porque é o q tem. tenho 3 filhos e c o $ p comprar 1 peça grifada, compro p nós 4 em brechós, na net ou fast fashion. e vc disse uma frase q eu sempre repito: roupa n pode custar 1 mês da alimentação da minha família!
    bj enooormes e vamos aproveitar a - pouca - distância???

    ResponderExcluir
  18. Flor, eu simplesmente amei seu post.
    É sincero, é pulsante e colorido.
    Colorido com a sua opinião.
    Amei!

    Beijão

    ResponderExcluir
  19. Eu sou sua fã,o seu blog foi o primeiro que comecei a seguir já disse isso... e me apaixonei pelos seu looks!!!
    Eu amo loja de departamento ,só entrei em lojas caras qdo era adolescente e deslumbrada rsrsrsr
    Lógico que dependendo das peças vale a pena comprar uma coisa ou outra.
    Mas no geral como vc mesmo disse, agente enjoa e logo estamos querendo outra roupa !!!!!
    O legal é ser criativa!
    Fico muito mais feliz qdo consigo montar um look que fique bom em mim lembrando que gastei pouco ,do que ao contrário rsrsrsrsr
    Bjo

    ResponderExcluir
  20. Antes do meu jejum de compras, rs, e agora quando preciso comprar algo, busco o que tenha um preço acessível e uma qualidade boa. Lojas de departamentos e até supermercados são super amigos meus, velhos conhecidos. Mas tbm tenho algumas paixões, pois estou longe de ser a mais controlada das criaturas. Quando isso acontece, penso muito se vou usar, se é algo que posso usar por muitos anos, se o trabalho é bem feito e se o dindim pode ser gasto naquele momento.

    A minha paixão é por sapatos, mas, mesmo assim, se não forem para a casa dos três dígitos (o que tá bem difícil hoje em dia). A minha maior alegria foi quando descobri A Barateira aqui em Curitiba, um feirão de calçados que acontece de quatro em quatro meses, mais ou menos. Sapatos bons e preços de dois dígitos - é a glória!

    Um beijo!

    ResponderExcluir
  21. Aline
    seu post é muito bacana!
    e eu concordo com vc: não tem porque pagar R$100 numa camiseta que vai ser usada meia dúzia de vezes, se a gente pode comprar uma similar por 1/4 do preço!
    eu também uso muuuita coisa de lojas de departamento!

    ResponderExcluir
  22. adorei o texto, Aline! Arrasou! eu amo as lojas de departamento, sinceramente eu acho um investimento bem mais inteligente, já que a moda muda muito rápido! imagina se sempre comprassemos em lojas caras e tivessemos que comprar de novo a cada estação! sou fã das lojas de departamente e hoje em dia, prefiro muito mais investir em peças bacanas da c&a, renner e marisa que são lojas que estão cada vez mais estilosas e atualizadas! beijão e obrigada pelos elogios no cabelo rsrs amei!

    ResponderExcluir
  23. Oii
    Simplesmente sempre me vi comprando em lojas de departamento. Na minha cidade de tão pequena só tem uma loja das Pernambucanas. E olha que acho que me viro bem, rs. Ter olho bom para garimpar coisas boas faz toda diferença.
    Bjim
    www.luanacrescente.blogspot.com

    ResponderExcluir
  24. Eu tava pensando exatamente sobre isso hoje, é difícil pagar 100 reais em uma camisa. Acho o valor inviável. Fico abobada como tem gente que compra peças básicas por esse valor, no mínimo. É praticamente outro mundo.
    Se não fossem as lojas de departamento, estava perdida.
    Enfim, adorei o texto.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  25. Aline parabéns pelo post . Você é da minha realidade .
    Também tive uma infância humilde , e sempre com poucos recursos . Comecei a trabalhar cedo , ajudava em casa...
    Eu agradeço sempre por tudo que tive e tenho , e vejo o lado bom de ter vindo de uma origem humilde , pois assim sempre deu valor a cada centavo conquistado e cada gasto era sempre bem pensado .
    E ainda bem que existem as lojas de departamento pois assim posso gastar bem meu dinheiro . Sempre fui de pechinchar , igual a você , eu penso muito antes de me render a uma peça mais cara .
    Uma ótima dica : se você mora na Tijuca ou adjacências , um ótimo local para as compras é a feira que acontece toda sexta no Esporte Clube Maxwell , na rua Maxwell (Vila Isabel). Dinheiro bem gasto viu .
    bjoss e boa semana

    ResponderExcluir
  26. Como eu amo pessoas reais, com salários reais, com gostos reais e, principalmente, com atitudes reais.

    Sou assim, exatamente assim. E só não aproveito mais as lojas de departamento porque, infelizmente, nem todas as peças andam cabendo em mim =(

    ResponderExcluir
  27. Xuxu, minhas postura é a mesma que a sua!
    Amooo lojas de departamentos, se eu me satisfaço com o que tem ali para que querer mais???
    Já sou feliz usando o que tem ali mesmo, gosto dessa coisa de liquidação, de garimpas e melhor ainda, de bater no peito sem ter vergonha e dizer: paguei 10,00 nisso aqui!
    Meu perfil em blog, orkut, facebook e afins é sempre o mesmo: sempre no meio do texto coloco que "não dou bolas para marcas e que meu bolso agradece. Não quero ser rica, quero viver bem. As coisas mais simples são as que me fazem mais feliz!"
    Vou ouvir muito ainda coisas do tipo: vc fala isso pq não pode comprar!
    Talvez sim, mas o fato é que não preciso manter esse tipo de pessoas com esse pensamento tão pequeno em minha vida.
    A liberdade de escolhas é uma das coisas mais significantes na vida e que não pagamos para ter.
    Viva as fast fashion! Pq o preço é bom e o que vale é a criatividade e não a etiqueta!

    Beijocas xuxu!

    ResponderExcluir
  28. Mandou bem no post. :)
    Tenho a mesma visão que você, apesar de ser um pouco consumista, eu penso muito antes de fazer uma loucura, porque sim, eu também enjoo fácil das coisas. Uma das minhas lojas favoritas é a Marisa, e já me falaram que eu podia ser a garota propaganda da marca. Mas o que eu posso fazer? A loja tem melhorado suas roupas e investido no acompanhamento de tendências, sem subir muito os preços...sem falar na facilidade de pagamento. Eu também nunca tive vida boa, meus pais sempre ralaram para me dar o melhor e eu aprendi a economizar e gastar sem exageros.

    :*

    ResponderExcluir
  29. Olá querida!
    Quanto tempo... Sei que já deve fazer um tempão que o blog mudou de carinha, mas como estou vendo agora queria dizer que está ma-ra-vi-lho-so!
    Aliás, sem querer "babar o ovo", vc é admirável.
    Seu post é a prova disso. Adoraria seguir seu pensamento, mas confesso que não tenho essa qualidade. Talvez por não ter acesso fácil a lojas de dpto, talvez por dificuldade ao um olhar apurado mesmo.
    A gde verdade é que vc é linda, seus looks são lindos e o principal: seu coração é lindo!!!
    Beijo enorme,
    Japa

    ResponderExcluir
  30. Vocês são muito fofas e queridas por refletir junto comigo!
    Amei saber das histórias e das atitudes de vocês!

    Obrigada!
    <3
    =D

    ResponderExcluir
  31. O post é tão bacana que vale a pena ler cada comentário também, e constatar que a história de família humilde e trabalho duro não é só minha. Adorei saber da sua história também, e como é reconfortante encontrar pensamenso afinados com os nossos !! Fiquei muito feliz mesmo ao ler. Herdei muita roupa de primo nessa vida, compro em muito brechó e penso (até demais) antes de comprar cada coisinha nas lojas de departamento, e além de pensar "eu posso pagar por isso ?" também preciso me perguntar "eu realmente preciso disso ?"
    Muito bacana mesmo a reflexão.
    Bjão

    ResponderExcluir
  32. Aliás, pensando mais aqui ... Mesmo se eu tivesse grana o suficiente, eu NÃO conseguiria pagar mais do que 200 reais por qualquer peça de roupa (peça do dia-a-dia, aqui excluídos vestidos de festa ou sei lá, casacos para a neve, e vale lembrar que tô chutando um valor aleatório), é uma coisa impensável pra mim. Como disse a Ro Malet aí em cima: "Não quero ser rica, quero viver bem"

    ResponderExcluir
  33. Aline...
    ...tô contigo!!O mundo das pessoas que não precisam priorizar suas finanças deve ser um paraiso e justamente por isso fantasioso.
    Sou bem mais a vida real da grande massa...viva a originalidade!!
    Bjs So

    ResponderExcluir
  34. Aline,

    A verdade é que as pessoas são emsquinahs o suficientes para pegar no nosso pé por pouca coisa. Se vc não bota a descrição do look "cadê a descrição!", se você coloca Marisa "Só usa Marisa", se vc se permite um luxo uma vez ou outra "Vc era off, agora tá mudando,é?"...como se eu tivesse ganhado na mega sena, aham...hahaha

    Eu sei bem o que é passar por privações na vida. Mal sabem as pessoas que eu comia um pãozinho com manteiga pra poder ficar na faculdade e estágio direto...ou que mesmo com meu salário de estagiária, pagava meu aparelho dentário, contas em casa e meus livros da faculdade. Sobrava zero reais.

    Quem escreveu isso deveria se sentir envergonhada. E não deve ter metade da estrada bonita que vc tem.

    ResponderExcluir
  35. digitei mega errado no ínicio da frase: mesquinhas! haha

    ResponderExcluir
  36. Parabéns pelo texto querida. Assino em baixo!
    Estou vivendo essa fase de cursar uma universidade, sei bem o que você passou simplesmente porque eu passo por isso. Vivo basicamente do que ganho da minha iniciação e da pensão que recebo do meu pai. Aí vem todas as despesas de se morar fora, pagar aluguel, sua comida, transporte, livros, etc, etc. Sobra pouco, quase nada. E é por isso que sou totalmente a favor de lojas de departamento, e mais, sou a favor das promoções e afins, simplesmente porque sei de onde vem o meu dinheiro, que não é muito! Eu adoro seu blog justamente porque vejo em você inspirações possíveis, quem se incomoda com isso nem deveria passar por aqui!

    ResponderExcluir
  37. Aline,
    Eu já falei que sou sua fã?

    Adorei a sinceridade do post!

    Um bjo!

    ResponderExcluir
  38. DEMAIS seu texto. E a Marisa tem coisas óóóóóóótimas mesmo!!! beijossss!

    P.S: sou fã do seu blog, ele é completo.

    ResponderExcluir
  39. Que bela reflexão!!
    Essa coisa de copiar design acontece desde marisa até daslu, 284 e outras grifes caras. Imitar o design de alguém e ainda cobrar os olhos da cara é pior do que vender algo sem pagar direitos autorais por R$29,90! Certo, os dois são ruins, mas pelo menos o consumidor final não saiu tão esfolado da segunda... E nem encheu os bolsos de quem tá roubando a ideia alheia...
    Qto à cadeia produtiva, trabalho escravo, etc etc, é uma coisa que tem que ser vista e avaliada. A Marisa já viram que tem, mas tb a Marisa tem dezenas de fornecedores e apenas alguns podem usar esse esquema ilegal. E qto às roupas grifadas made in china? Não sabemos as condições de produção dessas peças.
    Eu me apego super às roupas. Não compro muito, penso mil vezes antes de comprar e mil vezes antes de me desfazer. Mesmo assim, gosto de comprar modinha de vez em quando. E acho que o futuro da moda é a rapidez do descarte. E rapidez indica perda da qualidade (se compararmos com uma peça que demora um mês para ser produzida com absoluta precisão) tanto da mão de obra qto do tecido. A equivalencia do tempo de produção se dá no tempo de uso. E pronto. Rápido pra fazer, rápido pra descartar.
    Seria legal que os materiais usados fossem mais degradáveis do ponto de vista ecológico. Seria legal se nossa vontade de comprar não fosse tão inflada pelo que a gente lê, vive e olha. Meu método é "não olhe". Olhou, desejou, comprou, sofreu. ehehe Nem sempre se sofre mas sempre penso que aquele $$ poderia servir pra alguma coisa melhor do que mais uma blusa no meu guarda-roupa.
    Beijinhos mil, saudaaaaadeeeeeess!!

    ResponderExcluir
  40. Nossa, que post legal! E como vc escreve bem!
    Eu acompanho alguns blogs para me inspirar, mas nao tenho um!
    É triste ver que a maioria dos blogs escrevem para outras blogueiras.
    O foco nao é a leitora comum, como eu...
    Entao, o que acaba acontecendo é q a maioria dos blogs virou uma vitrine do q "eu tenho" ou da "marca que estou usando", quando na verdade deveria ser de inspiraçao para ideias boas e baratas. Hj eu entrei aqui para buscar posts com bolsas do ebay, pq estou querendo muito uma bolsa carteiro e nao quero pagar 300 reais em uma.

    Vc é uma fofa! Por isso entro sempre no seu blog. Vc nao o mantem para se ixibir como muitas fazem!

    bjos

    ResponderExcluir