terça-feira, 27 de setembro de 2011

Desafio de livros - História de amor favorita e livro que posso citar de cor

Perceber que me lembro de poucas histórias de amor em livros me deixou um pouco triste (fuén...). Mas pra fugir do clichê Romeu e Julieta, vou indicar um romance latino, cujo autor me agrada muitíssimo - O amor nos tempos do cólera, do Gabriel Garcia Marquez.



Ainda muito jovem, o telegrafista, violinista e poeta Gabriel Elígio Garciá se apaixonou por Luiza Márquez, mas o romance enfrentou a oposição do pai da moça, coronel Nicolas, que tentou impedir o casamento enviando a filha ao interior numa viagem de um ano. Para manter seu amor, Gabriel montou, com a ajuda de amigos telegrafistas, uma rede de comunicação que alcançava Luiza onde ela estivesse. Essa é a história real dos pais de Gabriel García Márquez e foi ponto de partida de O amor nos tempos do cólera, que acompanha a paixão do telegrafista, violinista e poeta Florentino Ariza por Fermina Daza.

O romance encanta pelo pureza do amor de Florentino. Ele conhece Firmina Dazo na juventude quando ainda não tinha objetivos de vida nem esperanças de futuro. Sua vida passa a girar em torno de Firmina, mas ela tem uma personalidade forte e não aceita um rapaz tão subordinado e sem atrativos pessoais. Passamos a ler o romance esperando a solução do impasse desse relacionamento: eles ficarão juntos ou o amor irá se acabar? Na verdade, o amor é de Florentino, é ele quem passa a fazer tudo para conquistar Firmina, e mesmo após o casamento dela e o nascimento dos filhos, ainda espera que ela o aceite. A saída é esperar a morte do seu marido. E isso não demora a acontecer no livro. Mas já se passaram muitos anos e Firmina não aceita a idéia de amar, não na sua idade. Mas Florentino não desiste e se torna seu amigo.

***

Agora, livro que cito de cor? Pff! Nem que eu fosse um aedo! Sou incapaz de decorar mais de três versos, sério. É até ridículo, porque adoro vários artistas, mas sou incapaz de lembrar o título das músicas, dos livros, às vezes até dos nome das criaturas.  Posso enumerar livros dos quais me lembro de pedaços, flashes, detalhes do enredo e that's all.
Poderíamos incluir aí Flores do mal, do Baudelaire, uma pá de poemas do Fernando Pessoa (heterônimos etc.), Madame Bovary, sempre, Memórias Póstumas, do Machado, alguma coisa do Cruz e Souza, que trabalhei na dissertação. É isso.

4 comentários:

  1. Como já disse num post passado, não consigo ler Gabriel Garcia Marques. Só pela tua resenha, vou dar mais uma chance, mas nem pensar em ler Amor em Tempos de Cólera. Já tentei ler não sei quantas vezes e não consigo! É daquelas coisas inexplicáveis, impressionante! Eu não gosto dele mesmo, hehehe!

    ResponderExcluir
  2. Estou LOUCA para ler amor nos tempos do colera DESDE que li "cem anos de solidão" !!
    Madame Bovary é maravilhoso e Baudelaire me deixa sem ar! eu amo * tenho as flores do mal em portugues e em francês apesar de não saber quase nada de francês!!

    Ah amei o blog!

    Beijõesss

    ResponderExcluir
  3. Gabriel Garcia Marquez é um dos grandes escritores de todos os tempos... tenho todos dele! Flores do Mal dispensa comentários, Baudelaire é Baudelaire. Mas eu acrescentaria O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde, um dos melhores romances que li na vida!

    Beijos

    ResponderExcluir