quarta-feira, 26 de junho de 2013

Equivocamos esa paz con la muerte y creemos anhelar nuestro fin


Da primeira vez que fui a Buenos Aires, nem cogitei visitar o famoso cemitério da Recoleta, onde Evita está sepultada. Não havia nenhum finado ali por quem eu nutrisse um mínimo de interesse, então deixei pra lá. Após ver as fotos de viagens de alguns amigos, gostei das estátuas e resolvi ir dessa vez, aproveitando que o cemitério fica perto dos museus que eu queria conferir.

O lugar parece uma mini cidade, repleto de ruas e pequenas construções, os mausoléus e estátuas são impressionantes. O túmulo da Evita não tem nada de especial, mas estava apinhado de turistas disputando espaço para fotos.

O passeio teve seu momento creepy, no entanto. Numa ruelinha deserta, demos  com um senhor de vestes sujas e a mais terrível das carrancas,  meio descansando, mas também vigilante, dentro de um mausoléu violado. Pode ser que fosse um funcionário, ou talvez a administração o mantenha lá para incrementar a experiência , vá saber! Há várias tumbas assim lá, com os vidros quebrados e portas arrombadas.











Foi uma visita interessante. Lembro que, há alguns anos, quando trabalhei em Guaratiba, vi um pequeno cemitério, muito arborizado e calmo, cheio de sombras, com um cercadinho de madeira. O lugar me parecia convidativo, por estranho que possa parecer. Era bastante modesto, bem contrário à suntuosidade da Recoleta, mas fiquei imaginando se os habitantes locais aproveitariam seu ambiente fresco e quieto para pensar na vida ou fugir do calor. Cemitérios costumam ter baratas, não sei se era o caso daquele, mas o fato é que ele não era nada opressivo ou assustador.

Fui a poucos enterros, mas minha experiência nesse sentido inclui minha cabeça cansada, oscilando entre o luto e as histórias imaginadas a partir dos epitáfios. E calor, sempre um calor insuportável e não condizente com o momento. Fora isso, não tenho superstições. Encaro o cemitério como um lugar comum, um tanto peculiar não pelos espectros ou energia ruim, mas pela reunião de diferentes histórias, sentimentos, homenagens, algo como um museu com alguns prováveis episódios escusos no trajeto.

4 comentários:

  1. Patrícia de Oliveira Cardosoquinta-feira, junho 27, 2013

    Gostei muito de conhecer o cemitério da Recoleta! Por favor, se possível coloque os endereços das comilanças! O melhor doce de leite que já experimentei, sem dúvida foi o da Argentina!
    Beijo e obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A maioria dos Restaurantes onde comi fica na Calle Defensa, em San Telmo. O bifão e a sobremesa de óreo recheada foram no Shopping Design Buenos Aires, na Recoleta. O frango empanado com batatas e tomate é na Avenida de Mayo.

      Excluir
  2. Não gosto de cemitérios... Mas esse é um que eu adoraria conhecer.

    ResponderExcluir