quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Notre-Dame de Paris



Finalmente desencantei e li um autor que estava a minha espera há alguns anos: Victor Hugo. Entusiasta da literatura canônica francesa que sou, incluíra esse autor na minha lista de "querências", como chama a Ju, mas o encontro demorou a acontecer. Aproveitei que ele seria a estrela da vez no fórum e que eu teria uma bela discussão sobre ele , se decidisse participar, para promover de vez essa leitura tão postergada.

Notre-Dame de Paris foi um verdadeiro presente, e a primeira questão que se impõe é a opção esdrúxula de alguns editores e tradutores em renomear o livro para O Corcunda de Notre-Dame. É evidente no texto que o romance trata da Paris medieval, e que Quasímodo não é mais importante que qualquer dos personagens principais. Cada um desses exerce um papel simbólico dentro da trama construída por Hugo.

O romance tem caráter histórico e traça um verdadeiro panorama da Paris do século XV, com direito a longos e minuciosos capítulos sobre história e arquitetura. A propósito, se um defeito pode ser apontado no livro, esse seria a quebra de ritmo causada por esses capítulos mais arrastados e informativos, embora eles até sejam bastante aceitáveis face aos meus interesses.

Apesar da sinopse já bem batida da relação dependente, obsessiva e violenta entre o corcunda Quasímodo, o arquidiácono Claude Frollo - seu pai adotivo -, e a jovem cigana Esmeralda, que terminará num desdobramento catastrófico para os três, o romance é bem mais que isso. Victor Hugo  busca elucidar peculiaridades do medievo, como a condição da mulher, os abusos da Igreja e da Coroa, o cariz ambíguo do imaginário da época, as transformações sócio-políticas e seus desdobramentos na arte e no espaço urbano. A vulnerabilidade da cigana Esmeralda e da reclusa do Buraco dos Ratos, o misticismo de Claude Frollo, o híbrido de monstruosidade e ternura de Quasímodo - cada um desses elementos atua simbolicamente na apresentação dessas peculiaridades.

Por ser um romance panorâmico, Notre-Dame de Paris não permite que os personagens ganhem a força necessária para se tornarem apaixonantes, com exceção do filósofo-mambembe Pierre Gringoire, cujas falas cômicas e mordazes se confundem com as do narrador. Victor Hugo tece inúmeras críticas, mas o faz com uma divertida sagacidade que, aliada a seu talento narrativo, torna deliciosa a leitura. Descobri nesse autor um verdadeiro mestre das comparações e metáforas.

Há que se relevar a postura de narrador-paizinho, que busca conduzir o leitor pela mão em direção ao que se deve concluir e compreender. Esse traço, incômodo ao leitor  contemporâneo mais afeito às inferências, era típico dos primeiros momentos do gênero romance, já que não se sabia, à época, se o leitor era capaz de discernir sozinho entre o certo e o errado, entre o moral e o imoral, diante de um texto com pretensão realista (a abordagem realista é uma das premissas do gênero). Ou seja, não se sabia a que tipo de influência o leitor era suscetível, nem se ele estava apto a compreender por si mesmo o que era considerado condenável ou não na história narrada.

Considerada essa ressalva, temos um clássico completo: altamente informativo, instigante, primorosamente escrito. Se algum de vocês se interessou, sugiro que não esperem tanto quanto eu.

***
Aproveito para agradecer às companheiras de fórum pela discussão deliciosa que tivemos.

13 comentários:

  1. Que lindo, Aline! Você abarcou todas as principais questões, ficou ótimo! Obrigada por acrescentar tanto à discussão! Seu blog é lindo!
    Beijos!
    Lua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lua!
      Nossa discussão foi muito rica mesmo!
      :)

      Excluir
  2. Que bonita sua resenha Line! Não dei conta de ler esse livro na edição que eu tenho, uma pena, porque tenho a impressão que é uma grande história. Vou dar seguimento a planos que tenho de ler Victor Hugo em francês <3
    beijo enorme!

    ResponderExcluir
  3. Que legal! Vou acrescentar a listinha de leituras =D Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Que interessante! Vou acrescentar a lista de leituras!

    ResponderExcluir
  5. Adorei seu texto, Aline. O engraçado é que sempre pensei que o livro fosse sobre o corcunda, mas acho que isso foi por causa da animação da Disney :D
    O assunto do desenvolvimento do romance como gênero literário me interessou, vou procurar o livro que você indicou no fórum, o "Dez lições sobre o romance..."
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse livro é ótimo!!!
      Tomara que vc consiga achá-lo e lê-lo!
      Comprei no Submarino ou nas Americanas.
      ;)

      Excluir
  6. Gostei da dica, fiquei com vontade de ler...

    Vc está linda Aline!!

    bjs

    ResponderExcluir
  7. Excelente! Vc soube resumir com precisão o livro, despertando o interesse e sem entregar a história. Amei o fechamento do texto; essas 3 características que vc pontuou servem para descrever as outras obras que li do autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Gláucia!
      Vi que você entende de VH e sua opinião importa muito!

      Beijo!

      Excluir
  8. Sempre tive curiosidade de ler algo de Victor Hugo, achei muito interessante você falar sobre o personagem Corcunda não ser o principal (como eu não li) acredito que muitas pessoas pensem que esse personagem é o principal, assim como eu...bjs

    ResponderExcluir