quarta-feira, 12 de março de 2014

Dezembro, Janeiro e Fevereiro: o que teve

Este tipo de post não dá muito ibope, mas é um dos meus favoritos porque me dá uma noção do que andei apreciando nessa vidinha cheia de surpresas. Como isso é um blog, não uma democracia, eis o meu momento "Eu, eu mesma e Irene":

Assistindo...

Paris está em chamas, René Clément ♥♥♥

A fita branca, Michael Haneke ♥♥♥♥♥ Excelente!

Alemanha, Ano Zero, Roberto Rossellini ♥♥♥

Filha de ninguém, Sang-Soo Hong ♥♥ 

Igual a tudo na vida, Woody Allen ♥♥♥

Bright Star, Jane Campion ♥♥♥

O espetacular homem aranha, Marc Webb ♥♥

Behind the candelabra, Steven Soderbergh ♥♥♥♥

39 degraus, Alfred Hitchcock ♥♥♥

Ninoctcha, Ernst Lubitsch ♥♥♥♥

The fugitive, John Ford e Emilio Fernandez ♥♥

As irmãs Brontë, André Téchiné ♥♥♥

Billy Budd, Peter Ustinov ♥♥♥♥

Estranho Acidente,  Joseph Losey ♥♥♥♥

Jovem e Bela, François Ozon ♥♥♥

Álbum de família,  John Wells ♥♥♥

Terra em transe, Glauber Rocha ♥♥♥♥

Fireworks Wednesday, Asghar Farhadi ♥♥♥♥

Children of Men, Alfonso Cuarón ♥♥♥♥

Hitchcock, Sacha Gervasi ♥♥

The Book Thief, Brian Percival ♥♥

Azul é a cor mais quente,  Abdellatif Kechiche ♥♥♥

Jeanne Dielman, 23 Quai du Commerce, 1080 Bruxelles,  Chantal Akerman ♥♥♥♥ Muito bem sacado!

O nome da rosa, Jean Jacques-Annaud ♥♥♥

84 Charing Cross Road (porque "Nunca te vi, sempre te amei" é cafona de-massss) ♥♥♥♥ Entrou pr'os favoritos!

Le Corbeau, Henri-Georges Clouzot ♥♥♥♥

Her, Spike Jonze ♥♥♥♥

Lendo...

Ode à melancolia e outros poemas, John Keats  ♥♥♥♥

Sobre a amizade e outros diálogos, Jorge Luis Borges ♥♥♥♥♥

Perdoe-me tanto laquê, Juliana Gervason ♥♥♥♥

Poética, Ana Cristina César ♥♥♥♥

O cão dos Baskerville, Arthur Conan Doyle ♥♥♥

Um estudo em vermelho, Arthur Conan Doyle ♥♥♥

 As melhores histórias de Sherlock Holmes, Arthur Conan Doyle ♥♥♥

Inferno, Dan Brown  ♥♥♥

O nome da Rosa, Umberto Eco ♥♥♥♥

Divórcio, Ricardo Lísias ♥♥

História do cinema mundial, Fernando Mascarello (org.) ♥♥♥♥




 Ouvindo...

Elomar (porque teve show ♥)
E as velharias de sempre :)

2 comentários:

  1. Oi, Aline! Fui ouvir Elomar (nunca tinha ouvido falar), puxa que lindo! O som me fez sentir na casa dos meus pais tomando café da manhã num domingo...Sobre "o nome da rosa", não sei o que acontece comigo sobre esse livro. Tentei ler uma vez, não consegui passar de algumas páginas, depois comecei a estudar a língua italiana e fiquei curiosa de novo sobre ele, fui tentar ler e nada, então acabei vendo o filme mesmo (gostei muito). Eu li esses dias "a misteriosa chama da rainha Loana" do Umberto Eco e achei muito bom, foi um livro que me fez refletir sobre algumas coisas...(na minha turma da faculdade eu tinha uma colega italiana de 72 anos de idade que dizia que Umberto Eco era autor de um livro só. Para ela, apenas O nome da rosa era bom, o resto não, ela gritaria comigo se lesse isso rsrs)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tentei ler outros romances do Eco e tive o mesmo problema. Mas esse achei sensacional! Em primeiro lugar, ele está sendo muito muito irônico, só que as ironias dele tem a ver com história e cultura medievais, que calho de conhecer um pouco porque meu namorado estuda o assunto. Então tenho algumas leituras pra entender as piadas do Eco nesse livro. Acho que a minha formação (letras) também ajuda a entender certas questões de que ele trata ali. É um romance bastante intertextual. Ele chega a fazer piadas eróticas em latim. E inventa barracos entre figuras históricas. Acho muito inusitado, rsrs.
      Quanto ao Elomar: amor eterno, amor verdadeiro! ♥ Admiro demais aquele homem e assistir a um show dele foi realizar um sonho! :) Poeta arretado!

      Excluir