domingo, 27 de abril de 2014

Soneto de breve impressão da estética do poeta Wordsworth

Em muito afasta a pena do traçado
Honesto o que em brumas se meteu
De dar-se em iras próprias espelhado,
Tornando universal o que é só seu.

Mister é que o escriba se isente
Da causa própria na composição.
Se quer galgar a pura honestidade
Precisa reservar a emoção.

É justo o comentário do poeta
Que louva a emoção quando lembrada.
Na calma assentada da memória,

O tema subjuga-se ao esteta,
A mera impressão é elevada,
A obra brilha, não queda simplória.

2 comentários:

  1. Adorei o soneto, Aline!
    Eu, particularmente, sou amante de sonetos... Os do Vinícius de Moraes sao meus prediletos.

    Beijos!
    Juliana
    www.livreeespontanealeitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Juliana! Também adoro sonetos! :)

      Excluir