quarta-feira, 30 de abril de 2014

Sudden Light

Acho a tradução de poemas um verdadeiro divertimento, embora me falte expertise no ofício. Até então, eu só traduzia poemas sem rima ou métrica para que o assassinato do mesmo fosse menos hediondo. Anteontem, porém, senti-me terrivelmente tentada a traduzir um lindo poema de Dante Gabriel Rossetti, que li num livro de aulas de inglês do Borges.

A minha tradução é traidora e transcriativa. Mais que tudo, é amadora. Tomei algumas liberdades e fiz algumas supressões de modo a tentar manter algum ritmo e as rimas, mas me esforcei para manter a ideia principal do poema. Esse exercício me faz respeitar ainda mais o trabalho de Ivo Barroso, Carlos Alberto Nunes, Ivan Junqueira, Haroldo de Campos... Esses caras arrasam!





Sudden Light

I have been here before,
But when or how I cannot tell:
I know the grass beyond the door,
The sweet keen smell,
The sighing sound, the lights around the shore.

You have been mine before,—
How long ago I may not know:
But just when at that swallow's soar
Your neck turned so,
Some veil did fall,—I knew it all of yore.

Has this been thus before?
And shall not thus time's eddying flight
Still with our lives our love restore
In death's despite,
And day and night yield one delight once more?



***
Luz repentina

Aqui já estive dantes,
Quando e como, não sei supor:
Relembro a relva adiante,
O doce e vivo olor,
As luzes da costa em redor, o ruído suspirante.

Outrora foste minha, —
Há quanto tempo, ignoro:
Ao voejar uma andorinha,
Inclinaste um pouco o colo,
Deixando pender o manto, — sua existência eu retinha.

Era assim outrora?
Não deve do tempo o vórtice,
Na morte, embora,
Reaver-nos o amor
E dia e noite, ainda, gozo nos propôr?

***
Poema e Quadro "Romance da Rosa" de Dante Gabriel Rossetti
Tradução: Aline Aimée


Nenhum comentário:

Postar um comentário