sábado, 2 de agosto de 2014

Dante Milano



Sol Forte

De olhos abertos enfrentei o assombro.
Tudo o que existe vem de um vago outrora.
Se contemplo o universo, não me assombro.
E o tempo eterno é para mim esta hora.
Não posso erguer o mundo no meu ombro,
Deixo-o rolar. Ao contemplá-lo agora
A terra me parece um rude escombro.
Eu me recordo de que em certa aurora
Quis ver o céu — só vi a imensidade...
Nisto medito, embora pouco importe.
Donde provém tanta perplexidade?
Porque, sobre o mistério, um sol tão forte
Que revela a existência e esconde a morte:
Tanto sonho e tão pouca realidade!

Momento

Esqueço-me dos anos, e dos meses,
E dos dias, das datas. Mas às vezes
Lembro-me de momentos. Rememoro
Um que me fez chorar. E ainda choro.
Recordo-me de uma hora, céu cinzento,
A terra sacudida pelo vento,
Um terrível momento escuro e imundo
Em que me vi perdido e só no mundo,
Sob os trovões, e estremecendo às vezes
Entre relâmpagos e lividezes...
Lembranças, não antigas, mas presentes.
Lembranças, não saudades, as ausentes.
Sem novas esperanças que despontem
O dia de hoje me parece ontem.
Nenhuma data, em mim, nenhuma festa.
Meu amanhã é o pouco que me resta.
Eu sou o que não fui e o que quis ser.
Já fiz o que me resta por fazer,
E bem no fundo de meu ser obscuro
Lembro-me antigamente do futuro...


Dante Milano (1889-1991), poeta de São Cristóvão, RJ, foi amigo de Manuel Bandeira, João Cabral, Murilo Mendes, Villa-Lobos e Mário de Andrade. Tinha verdadeiro horror à fama, frequentou pouco os círculos literários e fez questão de não ser publicado, exceto em suplementos literários e revistas. Seu único livro publicado em vida, Poesias (1948), saiu à sua revelia, por intervenção de amigos, e ganhou o prêmio Filipe de Oliveira (de importância correspondente ao atual Jabuti). Milano escreveu, ainda, ensaios literários e traduziu poemas de Baudelaire, Mallarmé e Dante Alighieri.

3 comentários:

  1. Gostei muito dos poemas, Aline! Obrigada por compartilhar esse poeta :-)

    ResponderExcluir
  2. Adoro esse estilo de poesia, Aline! É muito difícil encontrar esse livro dele? Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O livro que tenho é uma coletânea de melhores Poemas, organizada pelo Ivan Junqueira. Talvez você encontre alguma coisa na Estante Virtual. ;)

      Excluir