terça-feira, 11 de agosto de 2015

How Big How Blue How Beautiful


Não dei muita bola quando a banda Florence and The Machine apareceu. Não achei ruim, mas também não achei a última bolacha do pacote. Eu tinha a impressão de que a banda soava um pouco como uma mistura de Bat For Lashes com La Roux, mais pop e com melhor publicidade. Só que dia desses estava procurando coisas novas para conhecer no Spotify, dei com o disco novo da banda, How Big How Blue How Beautiful, e tive uma bela surpresa.

Que a voz dessa moça é maravilhosa, não há como negar. O que me surpreendeu foram os excelentes arranjos de algumas músicas, que lhes dão grandiosidade e que ajudam a ressaltar a potência vocal de Florence.

O disco, no entanto, não é muito consistente, tem momentos ótimos e outros um tantos indistintos. As deliciosas e dançantes "Ship to Wreck", "What Kind of Men", "Queen of Piece" e "Delilah", têm refrões fortes e arranjos imponentes. "What Kind of Men" tem um dos melhores e viciantes refrões, composto pela voz potente e replicada de Florence. "Queen of Piece" soa épico, tem uma vibe teatral e é a minha favorita. "St. Jude" é lenta, sensível e bela, fala de luto e cria todo um climão misterioso e sobrenatural. "Delilah" tem uma energia inspiradora, mistura uma levada vocal meio gospel com letra ligeiramente feminista, transborda desejo de empoderamento, e contagia com o coral que responde os versos principais. Enquanto Florence erige seu desejo de superação, o coro responde com a lembrança das inseguranças. É uma canção muito bem sacada.

A faixa que dá nome ao disco é razoável, mas não empolga. O restante não fedeu nem cheirou. Os clipes são mini filmes e dialogam entrem si. Alguns tentam reproduzir uma atmosfera de filme cult europeu, mas são sofríveis: uma confusão de atuações exageradas, dramalhão e mau gosto.

Com How Big How Blue How Beautiful a Florence and The Machine mostram que podem e sabem fazer boa música, aliando poesia, criatividade e vigor. Um pouco mais de tempo e dedicação, no entanto, poderiam ter deixado o álbum mais coeso.


3 comentários:

  1. Nossa, eu sou suspeita pra falar porque sou fanzona da Florence (só ver o nick no Twitter xD).

    Concordo com você quanto a ser meio inconsistente, mas ela é assim mesmo, maluca, fora da casinha haha

    Engraçado que eu achei os clipes interessantes, mas, de novo, concordo que não são as melhores coisas, só não acho de mau gosto, não. É que as atuações são meio teatrais... Enfim, nem vou ficar defendendo muito porque gosto é gosto, certo? ;)

    Mas achei legal o seu post falando que gostou das faixas mais legais. ^^

    Beijins!

    ResponderExcluir
  2. Ontem meu irmão ficou todo felizão em encontrar o CD para comprar,hoje encontro esse post sobre o Florence...rs
    Coincidências

    ResponderExcluir
  3. Eu não sei porque razão eu ainda não ouvi esse album. Mas eu adoro Florence. Sempre que eu paro pra ouvir as musicas dela meu humor melhora, eu fico mais tranquila, me da uma sensação muito gostosa mesmo.
    Fiquei curiosa pra saber se vou ter a mesma impressão com esse album, vou procurar!
    Beijos

    ResponderExcluir