terça-feira, 22 de setembro de 2015

Tête-à-tête - liberdade e humanidade na biografia de Jean Paul Sartre e Simone de Beauvoir



Comentei com vocês nesse post que queria ler sobre duas mulheres fortes e comprometidas com o próprio desenvolvimento: Simone de Beauvoir e Susan Sontag. Um dos livros que citei foi Tête-à-tête, biografia do casal Sartre-Beauvoir, que terminei hoje. Essa biografia foi composta pela escritora australiana Hazel Rowley, que não esconde sua admiração por Simone. Hazel empreendeu uma extensa e cuidadosa pesquisa, mas seu texto é de uma clareza e de uma fluidez que nos sentimos sentados com ela, batendo papo num café. Todos os fatos mencionados estão devidamente referenciados, e há também capítulos com bibliografia e comentários sobre entrevistas, materiais e pessoas consultados. 

Em relação à apresentação dos fatos, algo que me agradou bastante é o fato de a admiração de Hazel não ter prejudicado a imparcialidade no retrato de Beauvoir. Não houve tentativa de justificar suas fraquezas e incoerências, o que considero primordial numa biografia. Ainda assim, o carinho da biógrafa em relação à escritora francesa se revela na atenção especial dispensada aos seus sentimentos e aflições.

A biografia trata do casal do momento em que se conhecem até a sua morte, o que propiciaria um texto bastante extenso e rico em detalhes. A opção da autora, no entanto, foi preservar certa fluidez e ritmo, o que leva muitos leitores a consideram o texto uma biografia romanceada.



Tête-à-tête vai abordar a genialidade, a força e a energia impressionante desses dois intelectuais, ao mesmo tempo que ressalta o que eles têm de mais humano: suas falhas, seus medos, seus equívocos. Quando o casal decide que apenas a sua relação é essencial e que seus amantes são apenas relacionamentos contingentes, essa escolha deverá ser reafirmada a cada dia, às custas de muito sofrimento. Afinal, estamos falando de pessoas tão imperfeitas quanto nós mesmos. Vemos a convicção de Simone ruir inúmeras vezes em face dos ciúmes. Vemos a vaidade e a insegurança de Sartre aprisionar mulheres numa relação complicada de dependência e culpa. E nos revoltamos diante de um momento de clara desonestidade intelectual do filósofo, quando ele prefere omitir o que viu na União Soviética a "dar cartaz" indiretamente aos Estados Unidos.

Todos esses momentos nos levam a questionar a tal liberdade que o casal dizia sustentar. Os relacionamentos contingentes, a recusa do casamento, da religião e de filhos numa sociedade conservadora são exercícios de liberdade, sem dúvida, que exigem força e determinação para lidar com suas consequências. Por outro lado, a mentira em que se baseiam as relações amorosas contingentes, a culpa que os levou a sustentar esses amantes por toda a vida e a parcialidade do discurso de Sartre no caso citado acima demonstram o quão difícil é viver no dia-a-dia aquilo que se postula. É a escolha a ser reforçada e reiterada a partir de muita autoanálise. 

O "tête-à-tête" do título, inclusive, muito se relaciona com essa busca por entendimento, de si e do outro, que o casal empreendia junto, sem reservas ou condescendência. O desafio e o embate intelectual era não só permitido como incentivado, e um ajudava o outro a perceber onde precisavam melhorar e trabalhar.

Em inúmeros momentos me perguntei como o casal conseguia escrever com disciplina e intensidade enquanto experimentavam a angústia envolvida em tantos relacionamentos complicados e intensos. Ambos sofreram bastante, mas nunca paravam de trabalhar. E é esse caráter contraditório que nos aproxima deles. É ver como, mesmo eles, com tantos êxitos intelectuais e tanto sucesso, também se viam abalados ou paralisados por sentimentos que nos assolam o tempo todo.



Em relação ao objetivo que me levou a buscar o livro, houve, sim, muita admiração pela Simone. Ela sofreu bastante com insegurança e ciúmes em virtude dos muitos casos de Sartre, mas foi a escolha dela. Foi o seu exercício de liberdade, de cujas consequências ela não se evadiu. Assumiu a responsabilidade pelas escolhas que fez. Se por um lado Simone sofreu por amor, teve crises de ansiedade e medo, por outro, mostrou muita determinação ao assumir sua relação aberta, ao frequentar cafés sozinha numa época em que isso não era comum, ao defender os direitos das mulheres desafiando uma cultura machista, ao se colocar em pé de igualdade com os homens em ambientes onde a figura feminina não se verificava.

Beauvoir era muito honesta no que fazia, levava seus livros e pesquisas muito a sério, era uma escritora comprometida, disciplinada. Além de instrumento de reflexão sobre o mundo e sobre a existência humana, a escrita revelou-se um exercício de autoanálise e, até mesmo, uma espécie de terapia, pois ela encontrou no romance autobiográfico uma via de controle através da qual podia (re)organizar suas relações de modo a reforçar o próprio protagonismo.

Eu não buscava deuses inalcançáveis ou modelos perfeitos em Tête-à-tête e, felizmente, não os encontrei. Encontrei pessoas buscando, se dedicando, sem entregar os pontos, até o fim, e cuja busca me inspirou decerto.

***



Há um filme francês sobre o casal chamado Les Amants du Flore (Ilan Cohen, 2006), que não é maravilhoso, mas é bom. O filme é mais centrado na Simone e romanceia levemente os fatos para dar maior ênfase às tensões amorosas (que eram muitas, acreditem). A trilha sonora é bem interessante também.


3 comentários:

  1. Aline, amei o que você diz, que a escrita e o trabalho disciplinado dela reorganizava (nela) o próprio protagonismo. Essa biografia deve ser muito instigante. Mas na época em que o BAstardas leu estava difícil de encontrar...será que tem em ebook?
    Um beijo enorme. Adorei seu texto <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu li em ebook! Estava com um preço bom na Amazon.
      :)

      Excluir
  2. Nossa, eu amei essa biografia, estou marcando um dia para reler o livro. Eu já assisti ao filme, e gostei muito.
    Estou querendo muito ler os livros dos dois, principalmente da Simone de Beauvoir. E é tão inspirador este livro que me deixou com uma enorme vontade de querer mudar o mundo.

    Beijos, e parabéns pelas palavras!! ^_^

    ResponderExcluir