sábado, 23 de abril de 2016

Shakespeare no cinema: 5 excelentes adaptações



Gamlet, de Grigori Kozintsev (1964) Um dos filmes mais impressionantes que já vi. Uma adaptação russa, muito à altura do texto do bardo, com excelente atuação de Innokentiy Smoktunovskiy no papel principal, desenvolvimento primoroso das cenas dramáticas, fotografia perfeita. Um filme grandioso, que nos engole.




Trono Manchado de Sangue, de Akira Kurosawa (1957) - Kurosawa levou a história de Macbeth para o Japão medieval e criou um monumento, também muito adequado à grandiosidade do texto shakespeariano. Tem o incrível Toshiro Mifune no papel principal, além da bruxa e da Lady Macbeth mais horripilantes que já vi.



Ricardo III, Laurence Olivier (1955) - Ricardo III ficou eternizado em minha mente como o personagem criado por Olivier em sua excepcional adaptação. Olivier incorpora a pura maldade com muita força e realiza com todo o vigor o vilão mais cínico e ao mesmo tempo mais carismático da dramaturgia shakespeariana.



Muito barulho por nada, Joss Whedon (2012) - Adaptação contemporânea bastante original dessa comédia sobre a guerra dos sexos. Todo em preto em branco, o filme atualiza o humor shakespeariano de modo inteligente, sem perder as melhores farpas trocadas entre Beatriz e Benedito.



Cesar deve morrer (2012), Paolo e Vittorio Taviani - Aqui os irmãos Taviani misturaram documentário com adaptação, já que filmaram com detentos reais de uma prisão de segurança máxima de Roma. O filme mostra a escolha do elenco, os ensaios da peça Julio Cesar (de forma bastante estetizada) e a apresentação final para os familiares dos detentos. O filme desconcerta ao mesclar realismo e teatralidade intensa. Único e soberbo!

Um comentário:

  1. É tanta adaptação que às vezes nem sei qual escolher para ver. Dicas anotadas! :)

    ResponderExcluir